Tratamento do Lupus Forquilhinha SC

Tratamento do Lupus em Forquilhinha. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Sul Clínica
(48) 3437-4588
Rua Vital Brasil
Criciúma, Santa Catarina
 
Centro Médico Dr Carbajal
(48) 3437-0123
Tv Germano Magrin 100 s 1
Criciúma, Santa Catarina
 
Clínica Neurológica Knabben
(48) 3433-1873
Rua Coronel Pedro Benedet 363 s 302
Criciúma, Santa Catarina
 
Integrar Centro de Reabilitação Neurológica
(48) 3433-7040
Rua Eugênio de Bona Castelan 138
Criciúma, Santa Catarina
 
Centro da Mama
(48) 3433-0406
Rua Coronel Pedro Benedet 505 s 301
Criciúma, Santa Catarina
 
Anelise M Amboni
(48) 3433-7675
Rua Coronel Pedro Benedet 505 s 809
Criciúma, Santa Catarina
 
Centro Médico Pio Corrêa
(48) 3433-7943
Rua Vidal Ramos 184
Criciúma, Santa Catarina
 
Clínica Psiquiátrica Garcia
(48) 3433-4353
Rua Antônio de Lucca 165 s 203
Criciúma, Santa Catarina
 
Mileto Clínica Médica
(48) 3045-6648
Rua Coronel Pedro Benedet 505 s 304 s 305
Criciúma, Santa Catarina
 
Clínica Parapsicologia Professor Antônio Uliano
(48) 3433-4835
Rua Celestina Zilli Rovaris 70
Criciúma, Santa Catarina
 

Tratamento do Lupus

O lúpus é uma doença autoimune ocasionada por um desequilíbrio do sistema responsável por garantir o bom funcionamento do organismo, que passa a produzir anticorpos que atacam as proteínas presentes nos núcleos das células, erroneamente identificadas como prejudiciais à saúde. Os sintomas podem aparecer progressivamente ou evoluir de forma rápida e, por serem tão díspares e singulares, tornam o tratamento difícil. A recomendação dos reumatologistas é de que ele seja o mais particularizado possível.

Apesar da complexidade e da variedade, a doença pode apresentar, inicialmente, sintomas como emagrecimento, lesões cutâneas, dor nas juntas, queda de cabelo, aftas, febre, perda de apetite e fraqueza. O rim também pode ser comprometido, desencadeando a insuficiência renal, a mais grave das consequências ocasionadas pelo lúpus.

“Hoje se acredita que o lúpus não seja uma doença, mas sim uma síndrome com várias formas de apresentação distintas. Cada paciente é um paciente diferente, tudo é individual”, destaca o Dr. Ari, reumatologista.

“A doença tende a afetar mulheres jovens evoluindo com períodos de piora (atividade de doença) e melhora (remissão). A causa ainda é desconhecida, dependendo de uma tendência genética associada a fatores desencadeadores não totalmente conhecidos”, ressalta o Dr. Ari. “Existem fatores precipitantes, como a exposição ao sol, infecções, estresse emocional, cirurgias e gravidez, mas os mecanismos desse funcionamento ainda não são claros”, completa Dr. José, reumatologista.

No Brasil, não existem dados exatos, mas a Sociedade Brasileira de Reumatologia estima que 65 mil pessoas tenham lúpus, a maioria mulheres, já que elas são nove vezes mais atingidas do que os homens. Embora mais frequente em torno dos 20 ou 30 anos, a doença também pode acometer crianças e idosos.

Tipos de lúpus e complicações mais comuns

São dois os tipos de lúpus mais frequentes: o cutâneo e o sistêmico. O primeiro atinge a pele, sem comprometer os órgãos internos. O aparecimento de manchas avermelhadas principalmente na região do colo, orelhas e nas maçãs do rosto e no nariz – estas últimas no formato de asa de borboleta –, é uma manifestação cutânea característica da doença. Já o lúpus sistêmico costuma atingir, além da pele, diferentes órgãos, membranas e grandes articulações.

“Podemos dizer que mais de 95% dos pacientes têm inflamação nas juntas. As mãos são particularmente prejudicadas. A pessoa tem dores moderadas, mas raramente a condição é deformante”, afirma Dr. José.

Os quadros mais preocupantes da doença são os comprometimentos do coração, cérebro, rins e das plaquetas. Se não identificados ou tratados precocemente, podem levar à perda do rim ou até à morte.

O comprometimento neuropsiquiátrico é outro fator que merece atenção, embora seja menos frequente. O paciente pode desenvolver problemas cognitivos, delírios, fortes dores de cabeça, psicose, depressão, ansiedade e manias.

Diagnóstico e tratamento

Frente à variedade de sintomas, identificar o lúpus exige uma minuciosa avaliação clínica, assim como a realização de alguns exames de sangue, de urina e de imagem. “Não existe um exame laboratorial que, sozinho, permita fazer o diagnóstico da doença. Ele é sempre feito por meio de um conjunto de sinais, sintomas e alterações laboratoriais”, explica Dr. Ari.

De acordo com o Dr. José, estudar a função renal por meio de uma biópsia é mandatório. “O médico deve analisar a atividade da doença, se os órgãos foram atingidos e em quais níveis”, alerta. A dosagem do fator antinuclear (FAN) é uma importante ferramenta para um diagnóstico preciso.

A definição do tratamento vai depender das principais queixas do paciente e das manifestações clínicas da doença. O prognóstico melhorou muito nos últimos anos e hoje os medicamentos existentes são eficientes no controle da doença. Dependendo da gravidade do caso, quais órgãos foram acometidos e aspectos específicos de cada paciente, o tratamento pode variar em intensidade e tempo de duração. O mais comum é a utilização de anti-inflamatórios não hormonais, cortisona ou imunossupressores.

A proteção solar também é recomendada aos pacientes, já que o sol pode piorar alguns dos sintomas dermatológicos. É importante utilizar produtos que bloqueiem os raios ultravioletas tanto do tipo A quanto do tipo B. Além disso, é essencial manter as taxas de colesterol em níveis normais, elevar a dose de vitamina D e adotar uma nutrição balanceada. “Recomendo a todos os meus pacientes que deixem de fumar, façam exercício físico e não bebam. E as mulheres devem conversar com o médico antes de fazerem uso de pílula anticoncepcional”, indica Dr. José.

Por ser uma doença crônica, é essencial o acompanhamento regular, que deve ser definido de acordo com o nível de atividade e a evolução do lúpus. Segundo os reumatologistas, o ideal é que o intervalo das consultas não seja superior a quatro meses.

Você sabia?

Recém-nascidos também podem apresentar lúpus. A condição é rara e tende a se curar com o passar dos meses

A mulher com lúpus pode engravidar normalmente, mas deve estar com a doença sob controle há, pelo menos, seis meses

Não existem estudos que confirmem a relação entre o aparecimento do lúpus e o estresse, mas os médicos afirmam que não é raro que a doença dê seus primeiros sinais depois de períodos de grande tensão

O reumatologista é o médico especializado em diagnosticar e tratar o lúpus

Quem tem lúpus deve sempre ter a carteira de vacinação em dia, já que a imunização aumenta as defesas do corpo. As vacinas mais importantes são as contra a pneumonia pneumocócica e as contra o vírus da gripe