Tratamento de Obesidade Palmeira dos Índios AL

Tratamento de Obesidade em Palmeira dos Índios. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Clínica Estética Oriental
(91) 3032-6444
Vila Mauriti 1502
Belém, Pará
 
V S Dermatologia & Estética Médica
(91) 3073-1000
Avenida Tavares Bastos, 290 Alm Barroso/P. Álvares Cabral
Belém, Pará
 
Centro de Estética Bete Rodrigues
(91) 3230-5524
Rua Henrique Gurjão 270
Belém, Pará
 
Silhouette
(91) 3276-4974
Avenida Doutor Freitas 3042
Belém, Pará
 
Vis À Vis Noivas
(82) 3337-4008
Rua Jangadeiros Alagoanos, 962
Maceió, Alagoas
 
Esthetic Center
(91) 3222-7383
Tv Pombal 25
Belém, Pará
 
Espaço Terapêutico Orientar
(91) 3246-6147
Pass Alberto Engelhard 26
Belém, Pará
 
Locatelli Cosméticos e Estética
(91) 3224-6846
Tv 14 de Março 2105
Belém, Pará
 
Dra Aline Bastos
(82) 2126-0708
Avenida Engenheiro Paulo Brandão Nogueira, 68 s C2D Ed Harmony
Maceió, Alagoas
 
Penha Barrel Estética Facial e Corporal
(82) 3338-5164
Rua Sebastião da Hora, 16
Maceió, Alagoas
 

Tratamento de Obesidade

Há algumas décadas falava-se em desnutrição como questão de saúde pública; atualmente o discurso mudou de foco. A obesidade ganha destaque mundial.
Pudera: a vida moderna é programada pela lei do menor esforço – fast-food, falta de exercícios, escadas rolantes e tecnologias à disposição, com botões que ligam e desligam eletrodomésticos.

Tratamento para a obesidadeFalta de atenção com os hábitos saudáveis têm como consequência a obesidade, mas essa não é a única causa. Também podem contribuir a hereditariedade, alterações hormonais, medicamentos como anticoncepcionais e antidepressivos e questões emocionais como ansiedade e depressão.

Visto que vários são os fatores associados à doença, faz-se necessário tratamento que vai além de regimes e não se limita às cirurgias bariátricas, realizadas para reduzir o tamanho do estômago, na conclusão de especialistas. E, de olho na necessidade da população, o Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE) criou o Centro de Cirurgia da Obesidade Einstein.

Estrutura de ponta

O novo espaço conta com equipe multidisciplinar formada por cirurgiões bariátricos, psicóloga, fisioterapeuta, psiquiatra, nutricionista, clínico geral e, durante a internação, o paciente recebe ainda o apoio de farmacêutico e enfermeira.

O tratamento exige dedicação e paciência. De três a seis meses antes da cirurgia, o paciente começa a frequentar sessões com psicólogo e nutricionista para aprender a ter um novo olhar sobre sua alimentação. Depois do procedimento cirúrgico, passa a ter acompanhamento médico mensal durante os primeiros três meses. Após a primeira fase, o paciente deve visitar o especialista a cada seis meses.

Segundo o doutor Constantino José Fernandes Júnior, médico do (HIAE), o programa oferece uma alternativa de tratamento a quem enfrenta a doença em níveis mais elevados. “Essas pessoas sofrem a perda da auto-estima e acabam se confinando socialmente; também lidam com distúrbios de locomoção, devido ao impacto do peso sobre as articulações e a coluna.”

Perfil dos pacientes

Para chegar à conclusão de que a pessoa pode ou não ser submetida à cirurgia bariátrica, algumas características são levadas em conta. O Índice de Massa Corpórea (IMC), equivalente ao peso dividido pela altura ao quadrado, é calculado. (confira a classificação do IMC no quadro abaixo).

Os pacientes que necessitam de cirurgia têm como resultado da equação o IMC maior que 40, que corresponde à obesidade mórbida. Se o IMC estiver acima de 35, equivale à obesidade de grau II e, para que o paciente se submeta à cirurgia, deve estar associada a doenças como diabetes, hipertensão, problemas cardiovasculares, colesterol ruim alto (LDL) e doença de refluxo, entre outras.

Além disso, o paciente deve ser obeso há, no mínimo, cinco anos, pois o sobrepeso pode ser provisório, e ter passado por algumas tentativas frustradas de tratamento clínico, integrando dietas, atividades físicas, medicamentos e psicoterapia. Só pacientes com essas características devem fazer a cirurgia.

Escolha da cirurgia

Com a possibilidade das cirurgias para auxiliar no tratamento da obesidade na década de 80, o progresso se instaurou e trouxe novas técnicas mais seguras e de rápida recuperação. E a incessante procura por essa alternativa não é apenas para encaixar-se nos padrões de beleza estabelecidos atualmente, mas sim a busca por qualidade de vida. “A maioria dos interessados nesse tratamento pensa na saúde. Mesmo o aspecto estético é ligado à saúde, porque para ser saudável é preciso reunir bem-estar físico, psíquico e social”, explica o dr. Constantino.

Antes da cirurgia, o paciente passa por uma série de exames e deve ficar internado por dois dias. Após o procedimento, é obrigatório, durante o primeiro mês, que suas refeições sejam à base de líquidos. Mais tarde, a dieta contemplará alimentos pastosos. Em aproximadamente 90 dias o paciente estará comendo quase tudo, mas vagarosamente e acompanhado da prática de exercícios.

Tipos de cirurgias bariátricas:

Restritivas ou Banda Gástrica Ajustável: espécie de cinta, colocada no estômago, que diminui a passagem da comida, fazendo com que a pessoa se sinta saciada mais rapidamente. Nesse caso, o paciente deve comer devagar, o que o leva a ingerir menos alimentos, pois quando estes chegam ao intestino o cérebro já recebeu a informação de que não é necessário comer mais.
Mista predominantemente Disabsortiva: a cirurgia exclui uma parte do intestino, diminuindo a capacidade de absorção dos alimentos. É indicada para pacientes com superobesidade, com IMC acima de 50.
Mista predominantemente Restritiva: técnica minimamente invasiva, em que são feitos pequenos orifícios na pele, por videolaparoscopia. Neste método, o estômago é separado em duas partes: uma pequena e a outra maior. O alimento vai apenas para a bolsa menor, o que dá rapidamente a sensação de saciedade.