Síndrome do Ovário Policístico Redenção PA

Informações sobre Síndrome do Ovário Policístico em Redenção. Encontre aqui médicos especialistas, dicas de prevenção, onde fazer diagnóstico e tratamento da Síndrome do Ovário Policístico e endereços e telefones de hospitais e clínicas em Redenção.

Clínica de Diagnósticos
(94) 3424-1160
Avenida Santa Tereza 601
Redenção, Pará
 
Hospital Doutora Iraci Araújo
(94) 3424-1537
Avenida Carlos Ribeiro
Redenção, Pará
 
Hospital São Lucas
(94) 3424-1280
Avenida Gomes do Val 2753
Redenção, Pará
 
Clinisa
(91) 3236-3838
Rua Diogo Móia 1279
Belém, Pará
 
Clínica São Raimundo Nonato
(93) 3523-5071
Avenida Mendonça Furtado 1993
Santarém, Pará
 
Hospital Santa Mônica
(94) 3424-1229
Rua São Felix do Xingu 744
Redenção, Pará
 
Hospital São Vicente
(94) 3424-0947
Avenida Santa Tereza 601
Redenção, Pará
 
Consultório Dr Antônio Anselmo Bentes de Oliveira
(91) 3222-5825
Rua 13 de Maio 469 s 304
Belém, Pará
 
Policlínica Infantil
(91) 3241-1192
Pass Nazaré 1297
Belém, Pará
 
Clinic
(91) 3263-1422
Tv WE 20 122
Belém, Pará
 

Síndrome do Ovário Policístico

A síndrome do ovário policístico (SOP), também denominada Síndrome Stein-Leventhal, é a endocrinopatia mais comum entre as mulheres.Sua etiologia ainda não foi completamente elucidada. No entanto, sabe-se que ocorre uma disfunção no hipotálamo (pituitária) e resistência à insulina. A hiperinsulinemia resultaria em uma estimulação de produção excessiva de andrógenos pelos ovários. Elevados níveis desse hormônio interferem no desenvolvimento e liberação dos óvulos, por parte dos ovários, resultando em cistos (“bolsas” cheias de líquido), sendo esta uma das principais causas de infertilidade nas mulheres, já que não ocorre a liberação dos gametas femininos.Os sintomas mais característicos são amenorréia ou oligorréia, hirsutismo, obesidade (sendo que esses dois últimos sintomas estão presentes em metade das mulheres com esse problema), acne, acantose nigricantes, calvície androgênica, hipertensão arterial (pressão alta) e resistência à insulina.Mulheres que apresentam essa síndrome possuem ciclos menstruais desregulados (amenorréia ou oligorréia). Em associação com esse sintoma, a mulher também apresenta hiperandrogenia. Para a confirmação da suspeita, pode ser realizada uma ultra-sonografia, além de exames de sangue para verificação dos níveis hormonais. Outros testes podem incluir níveis de insulina, glicose, colesterol e triglicerídeos.Não existe uma cura para a síndrome do ovário policístico, mas os sintomas podem ser controlados. O diagnóstico deve ser feito logo no início do surgimento dessa síndrome, para que o tratamento ajude a prevenir os problemas associados. Alguns fármacos podem auxiliar e controlar essa síndrome, como a pílula anticoncepcional, para regular os ciclos menstruais, reduzir os níveis de andrógenos e melhorar a acne. Outros podem amenizar problemas estéticos, como crescimento de pêlos, e controlar a pressão arterial e o colesterol. Algumas mudanças de estilo de vida, como realização de atividades físicas, podem ajudar na redução de peso, reduzir os níveis de glicose e regular com maior eficiência os níveis de insulina. Existe também a opção do tratamento cirúrgico, mas deve ser recomendada pelo médico.Fontes:http://www.gineco.com.br/ovarios-policisticoshttp://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%ADndrome_do_ov%C3%A1rio_polic%C3%ADsticohttp://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?316http://www.lucasmachado.com.br/docs/sindrome_ovarios_policisticos.pdfhttp://www.copacabanarunners.net/sindrome-ovario-policistico.htmlhttp://medscanbh.com.br/S%C3%8DNDROME%20DOS%20OV%C3%81RIOS%20POLIC%C3%8DSTICOS.asp