Síndrome Pós-Colecistectomia Araranguá SC

Informações sobre Síndrome Pós-Colecistectomia em Araranguá. Encontre aqui médicos especialistas, dicas de prevenção, onde fazer diagnóstico e tratamento da Síndrome Pós-Colecistectomia e endereços e telefones de hospitais e clínicas em Araranguá.

Stefanio Nápoli Oliveira
(48) 3524-4770
Rua Caetano Lummertz 456 s 109
Araranguá, Santa Catarina
 
Cimel Saúde
(48) 3537-1717
Rua Alberto Burigo 120
Meleiro, Santa Catarina
 
Centro Clínico Sombrio
(48) 3533-0144
Rua Padre João Reitz 462
Sombrio, Santa Catarina
 
Portiuncola Caesar Augustus Gorini
(48) 3433-8773
Rua Vital Brasil 250
Criciúma, Santa Catarina
 
Clínica Médica Dal Pizzol e Ritter
(48) 3045-2985
Rua Antônio de Lucca 165 s 305
Criciúma, Santa Catarina
 
Clínica Ceretta
(48) 3524-0042
Praça Hercilio Luz 678 s 1
Araranguá, Santa Catarina
 
Fisiolis
(48) 3533-1822
Avenida Nereu Ramos 1263
Sombrio, Santa Catarina
 
Gilson C N Silva
(48) 3533-3657
Rua Santo Antônio 153
Sombrio, Santa Catarina
 
Anelise M Amboni
(48) 3433-7675
Rua Coronel Pedro Benedet 505 s 809
Criciúma, Santa Catarina
 
Integrar Centro de Reabilitação Neurológica
(48) 3433-7040
Rua Eugênio de Bona Castelan 138
Criciúma, Santa Catarina
 

Síndrome Pós-Colecistectomia

A síndrome pós-colecistectomia (SPC) consiste em um grupo de sinais clínicos e sintomas que habitualmente surgem após a ressecção cirúrgica da vesícula biliar (colecistectomia), que é comumente realizada com o objetivo de tratar os cálculos biliares.Embora na maioria das vezes a SPC seja atribuída à colecistectomia, existem outras causas para esta desordem, como:Síndrome do intestino irritável;Refluxo gastroesofágico;Hipersensibilidade do trato gastrointestinal;Consumo excessivo de alimentos ricos em lipídios;Dolorosas cicatrizes cirúrgicas de hérnias;Aderência após cirurgia;Estenose dos ductos biliares;Cálculos biliares retidos nos ductos biliares ou ducto pancreático;Lesão das vias biliares durante algum procedimento cirúrgico;Pancreatite crônica ou insuficiência pancreática;Diverticulite;Úlcera péptica.Esta síndrome resulta das alterações ocorridas no fluxo da bile, em decorrência da remoção do seu local de armazenamento, que é a vesícula biliar. Dois tipos distintos de problemas podem ser encontrados nesses casos. Primeiro, é o contínuo aumento do refluxo de bile para o trato gastrointestinal superior, fator que pode contribuir para o aparecimento ou agravamento de esofagite ou gastrite. A outra consequência está relacionada ao trato gastrointestinal inferior, podendo haver cólicas intestinais e diarreia. Além dessas manifestações clínicas, também podem estar presentes, gases, flatulência, náuseas, vômitos e icterícia.Estudos mostram que aproximadamente 65% dos pacientes que passaram pela colecistectomia não sofrem da SPC, pois um fluxo anormal de bile nem sempre leva a manifestações clínicas.O diagnóstico é feito com base no histórico e quadro clínico apresentado pelo paciente. Em alguns casos, são necessários alguns exames, como ultrassonografia endoscópica, manometria biliar, tomografia computadorizada ou ressonância magnética.O tratamento desta síndrome deve ser feito de acordo com a causa, envolvendo o uso de fármacos e cirurgia.Fontes:http://emedicine.medscape.com/article/192761-overviewhttp://www.medfriendly.com/postcholecystectomysyndrome.htmlhttp://en.wikipedia.org/wiki/Postcholecystectomy_syndrome