Erisipela Corrente PI

Informações sobre Erisipela em Corrente. Encontre aqui médicos especialistas, dicas de prevenção, onde fazer diagnóstico e tratamento da Erisipela e endereços e telefones de hospitais e clínicas em Corrente.

Climecor
(89) 3573-1123
Rua Antônio Nogueira Carvalho 1147
Corrente, Piauí
 
Policlínica de Corrente
(89) 3573-1851
Avenida Desembargador Amaral 1675
Corrente, Piauí
 
Policlínica Santa Maria
(86) 3249-1123
Rua Pedro II 107
São Miguel do Tapuio, Piauí
 
Fernanda Márcia Aguiar de Oliveira
(86) 3226-4640
Rua Governador Raimundo Artur de Vasconcelos 670 s 602
Teresina, Piauí
 
Plamed Hospital de Reabilitação
(86) 3081-2815
Rua Rui Barbosa 865
Teresina, Piauí
 
Centro Médico Correntino
(89) 3573-1483
Rua Antônio Nogueira Carvalho
Corrente, Piauí
 
Hospital Estadual e Regional D
(89) 3573-1465
Rua Antônio Nogueira Carvalho
Corrente, Piauí
 
Clínica Prev Can Doutor Regino Costa
(86) 3221-6097
Rua Desembargador Pires de Castro 802 S
Teresina, Piauí
 
Clínica Infantil de Picos
(89) 3422-2335
Rua Padre Madeira 344
Picos, Piauí
 
Abilene Maria de Souza
(86) 3255-1221
Rua Hospital 115
Sigefredo Pacheco, Piauí
 

Erisipela

Erisipela é um processo infeccioso agudo, que atinge a derme e a hipoderme, geralmente dos membros inferiores. A erisipela geralmente é causada pela bactéria Streptococcus pyogenesus do grupo A, embora possa também ser causada por Staphylococcus aureus, ou mesmo por estreptococos do grupo B, sendo que as bactérias se propagam pelos vasos linfáticos.A erisipela não é contagiosa. É popularmente chamada de esipra, febre-de santo-antonio, mal-da-praia, mal-do-monte, entre outros. A infecção ocorre quando as bactérias encontram pequenos arranhões, cortes, picadas de inseto, calos ou mesmo fissuras causadas por fungos (frieiras). Pessoas com problemas circulatórios nos membros inferiores, pacientes que foram submetidas à mastectomia, obesos e diabéticos são as maiores vítimas da erisipela, embora pessoas de todas as idades estejam sujeitas a ela. É mais comum ocorrer nos membros inferiores, mas pode ocorrer também nos membros superiores, tronco ou mesmo na face.Febre alta, dor de cabeça, prostração, náuseas e vômito são os primeiros sintomas, que podem durar até oito dias. Na região afetada, inicialmente, com leve inchaço, a pele fica quente, vermelha e brilhosa, passando rapidamente a um inchaço maior, tornando a região bastante dolorida, sobretudo por que na pele surgem bolhas purulentas, que evoluem para a necrose.É por meio do exame clinico que o médico faz o diagnóstico da erisipela. Quanto mais rápido é iniciado o tratamento, menores as chances de ocorrerem complicações. O tratamento é feito com o uso de antibióticos, antiinflamatórios analgésicos e antitérmicos, além das medidas tópicas na região afetada, e na região de possível entrada das bactérias (como as frieiras, por exemplo). O repouso é recomendado.A principal complicação resultante da erisipela é o linfedema pós-infeccioso, que ocorre quando há a destruição do vaso linfático, pelo processo infeccioso da pele e do tecido celular subcutâneo. O linfedema é um edema, ou seja, um inchaço duro e persistente, que se não for tratado, pode tornar-se uma doença crônica, alterando a estética, a mobilidade, além de causar uma sensação de peso e desconforto na região afetada.Referências:COSTA, Camila Alves et al. Integridade da pele prejudicada relacionada à erisipela: relato de experiência. Disponível em: Acessado em: 20 mai. 2010.ERISIPELA. Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular. Disponível em: Acessado em: 20 mai. 2010.MICKELBERG, Rosely Maia. Erisipela. Disponível em: Acessado em: 20 mai. 2010.