Donovanose São José da Tapera AL

Informações sobre Donovanose em São José da Tapera. Encontre aqui médicos especialistas, dicas de prevenção, onde fazer diagnóstico e tratamento de Donovanose e endereços e telefones de hospitais e clínicas em São José da Tapera.

Clínica São Lucas
(82) 3621-1646
Rua Luiz Gonzaga 380
Santana do Ipanema, Alagoas
 
Hospital Dr Arsenio Moreira da Silva
(82) 3621-3588
Rua São Cristóvão
Santana do Ipanema, Alagoas
 
Cemep
(82) 3421-2253
Rua Marechal Deodoro da Fonseca 67
Palmeira dos Índios, Alagoas
 
Clínica de Anestesiologia de Maceió
(82) 3326-7488
Rua Dias Cabral 384
Maceió, Alagoas
 
Centro Médico do Farol
(82) 3221-0660
Rua José de Alencar 118
Maceió, Alagoas
 
Unidade Adega Abrel Vilar
(82) 3623-1218
Praça José Amorim 154
Olho D'Água das Flores, Alagoas
 
Hospital Antônio Vieira Filho
(82) 3531-1461
Rua José Pereira de Melo
Batalha, Alagoas
 
Clínica Infantil Amai
(82) 3326-3454
Avenida Durval de Góes Monteiro, 3573
Maceió, Alagoas
 
Alerta Médico
(82) 3327-3333
Rua Doutor Pompeu de Miranda Sarmento 190
Maceió, Alagoas
 
Smile Atendimento Clínico
(82) 3241-1831
Rua Teófilo Barros 91
Maceió, Alagoas
 

Donovanose

A donovanose, também conhecida como granuloma inguenal, é uma doença crônica progressiva, sexualmente transmissível, que acomete principalmente as mucosas das regiões genitais, perianais e inguinais, e tem como agente etiológico a bactéria Klebsiella granulomatis (anteriormente chamada de Donovani granulomatis e, posteriormente, Claymmatobacterium granulomatis).Esta afecção caracteriza-se pela presença de úlceras genitais. Em regiões subdesenvolvidas ou em desenvolvimento, como Índia, Sudeste da Ásia, África do Sul, Caribe, Brasil e Papua Nova-Guiné, está presente endemicamente.A doença foi descrita pela primeira vez em 1882, na cidade de Madra, Índia. No ano de 1905, um médico irlandês chamado Charles Donovan relatou a presença de microrganismos intracelulares em amostras de úlceras, sendo que a doença recebeu esse nome em sua homenagem.Esta bactéria possuiu um período de incubação que varia de 3 dias a 6 meses, apresentando uma média de 7 a 30 dias do período de exposição até o surgimento das lesões. Estas últimas são semelhantes em ambos os sexos. Inicialmente observa-se uma lesão nodular localizada no subcutâneo que progride para ulceração com fundo granulomatoso, aspecto vermelho intenso, com borda plana ou hipertrófica, bem delimitada. Por conseguinte, pode tornar-se vegetante ou ulcero-vegetante; pode ser uma lesão isolada ou múltipla.Raramente são encontradas lesões em regiões extragenitais, podendo ser secundárias às práticas sexuais ou auto-inoculação. Podem surgir lesões nas gengivas, axilas, parede abdominal, couro cabeludo e formas sistêmicas, com manifestações no esqueleto, articulações, fígado, baço, pulmões, entre outras.O diagnóstico é feito através de exames laboratoriais, por meio da observação da presença de corpúsculos de Donovan em esfregaço de amostras de lesões suspeitas ou cortes tissulares corados com Giemsa ou Wright. Deve ser realizado o diagnóstico diferencial com outras doenças que causam úlceras genitais.O tratamento é feito com antibióticos, como a tetraciclina (500 mg por via oral, 4 vezes ao dia), doxiciclina (100 mg, por via oral, quatro vezes ao dia) ou eritromicina base (500 mg, por via oral, 4 vezes ao dia), por, pelo menos, 2 a 3 semanas, até que haja a regressão completa das lesões. É comum a recidiva da doença após o tratamento, sendo necessário sua realização a longo prazo. É necessário evitar qualquer tipo de relação sexual até o final do tratamento.Fontes:http://pt.wikipedia.org/wiki/Donovanosehttp://www.medicinanet.com.br/conteudos/revisoes/1751/donovanose.htmhttp://www.consultormedico.com/consultar-doencas/granuloma-inguinal/donovanose-granuloma-inguinal.htmlhttp://www.fmt.am.gov.br/areas/dst/donovanose.htmhttp://library.thinkquest.org/26260/pg1.html