Doença do Espaço Corrente PI

Informações sobre Doença do Espaço em Corrente. Encontre aqui médicos especialistas, dicas de prevenção, onde fazer diagnóstico e tratamento da Doença do Espaço e endereços e telefones de hospitais e clínicas em Corrente.

Centro Médico Correntino
(89) 3573-1483
Rua Antônio Nogueira Carvalho
Corrente, Piauí
 
Policlínica de Corrente
(89) 3573-1851
Avenida Desembargador Amaral 1675
Corrente, Piauí
 
Clínica Materno Infantil
(89) 3422-2955
Avenida Ayrton Senna 1095
Picos, Piauí
 
Clínica Imep
(86) 3222-3946
Tv 7 de Setembro 570
Teresina, Piauí
 
Clínica Santa Maria
(89) 3421-0445
Avenida Nossa Senhora de Fátima 770
Picos, Piauí
 
Climecor
(89) 3573-1123
Rua Antônio Nogueira Carvalho 1147
Corrente, Piauí
 
Hospital Estadual e Regional D
(89) 3573-1465
Rua Antônio Nogueira Carvalho
Corrente, Piauí
 
Ciad - Clínica Integrada Assistência e Diagnóstico
(86) 3215-6828
Avenida Leonidas Melo 370
Teresina, Piauí
 
Pinheiro e Silva Ltda
(89) 3562-1578
Praça Marcos Aurélio 888 s 6
Bom Jesus, Piauí
 
Laboratório Clínico Piauiense
(86) 3221-0453
Rua Desembargador Pires de Castro 77 sl 103
Teresina, Piauí
 

Doença do Espaço

A Síndrome de Adaptação ao Espaço, conhecida também como ”doença do espaço“, é a dificuldade que o astronauta pode sentir para se adaptar à microgravidade no espaço. Os sintomas são enjoo e perda de coordenação motora.Simulação de microgravidade em um avião.Desconhecida nas primeiras missões ao espaço, passou a ser detectada a partir do uso de naves que ofereciam maior espaço interno. Com maior espaço para a locomoção, a doença começou a ser mais comum nos astronautas.Grande parte dos enjoos ocorrem no primeiro voo espacial. Uma das primeiras ocorrências da doença foi verificada na missão Vostok 2, lançada em 1961.Além de enjoo e perda de coordenação motora, o astronauta sente náusea, dores de cabeça e sensação de desconforto. A NASA para mitigar a frequência da síndrome nos astronautas, estabelece um período de três a quatro dias para a adaptação às condições de microgravidade espacial.Um acesso de vômito ou desmaio dentro ou fora do ônibus espacial pode ser fatal. A origem da doença surge da dificuldade do labirinto, órgão regulador do equilíbrio, no processo de adaptação à microgravidade que gera uma sensação de falta de peso ao astronauta.Segundo os especialistas, a doença atinge cerca de 60% dos astronautas, e os sintomas cessam depois de dois dias no espaço. Para diminuir as ocorrências da doença, o astronauta fica de quarentena, isolado por três semanas para evitar infecção.Fontes:http://pt.wikipedia.org/wiki/Doença_do_espaçohttp://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL297116-5603,00-ASTRONAUTA+DOENTE+CHAMA+A+ATENCAO+PARA+CASOS+DE+ENJOO+ESPACIAL.htmlhttp://www.artedepensar.com.br/blog/?p=354