Doença de Unverricht-Lundborg Corrente PI

Informações sobre Doença de Unverricht-Lundborg em Corrente. Encontre aqui médicos especialistas, dicas de prevenção, onde fazer diagnóstico e tratamento da Doença de Unverricht-Lundborg e endereços e telefones de hospitais e clínicas em Corrente.

Centro Médico Correntino
(89) 3573-1483
Rua Antônio Nogueira Carvalho
Corrente, Piauí
 
Policlínica de Corrente
(89) 3573-1851
Avenida Desembargador Amaral 1675
Corrente, Piauí
 
Gastromed
(86) 3223-7111
Rua Félix Pacheco 1788
Teresina, Piauí
 
Clínica Santa Maria Ltda Clini
(89) 3589-1142
Rua José Dias de Sousa
Caracol, Piauí
 
Atendo Clínica Médica e Pediátrica
(89) 3522-2740
Rua São João 765
Floriano, Piauí
 
Climecor
(89) 3573-1123
Rua Antônio Nogueira Carvalho 1147
Corrente, Piauí
 
Hospital Estadual e Regional D
(89) 3573-1465
Rua Antônio Nogueira Carvalho
Corrente, Piauí
 
Clínica Médica Geral de Simões
(89) 3456-1131
Rua José Carvalho
Simões, Piauí
 
Clínica Médica São João
(86) 3233-6119
Rua Salomão Said 717
Teresina, Piauí
 
Centro de Dermatologia e Endocrinologia Lia Rachel
(86) 3221-4789
Rua São Pedro 1977
Teresina, Piauí
 

Doença de Unverricht-Lundborg

A doença de Unverricht-Lundborg trata-se de uma rara forma de epilepsia, classificada como epilepsia mioclônica progressiva.Foi primeiramente descrita em 1891, por Heinrich Unverricht; todavia foi somente em 1903 que Bernhard Herman Lundborg descreveu-a com maiores detalhes.Esta é uma desordem genética, causada por uma mutação no gene cistatina B, na qual os indivíduos afetados começam a demonstrar sinais e sintomas da doença entre os 6 aos 15 anos de idade, não tendo sido, até hoje, observada em indivíduos com mais de 18 anos. A maior parte dos casos relatados é em países da região do Báltico na Europa, embora também haja relatos em países do Mediterrâneo.As primeiras manifestações clínicas observadas nesta síndrome são espasmos mioclônicos ou tônico-clônicos, especialmente nos músculos dos braços e pernas mais próximos ao tronco, sendo desencadeados por diferentes estímulos, como esforço físico, estresse, luz, dentre outros. Dentro de um período de 5 a 10 anos após o início dos sintomas, a mioclonia pode tornar-se tão severa a ponto de interferir na deambulação e outras atividades rotineiras. Também pode haver quadros de perda de consciência, rigidez muscular e convulsões.O diagnóstico é feito com base no histórico e quadro clínico apresentado pelo paciente, sendo confirmado através do teste genético que verifica a presença da mutação no gene cistatina B.Não existe cura para esta doença. O tratamento visa minimizar os sintomas e é feito por meio do uso de fármacos que visam controlar as crises epiléticas e a mioclonia.É extremamente importante que o diagnóstico seja feito logo no início dos sintomas, bem como o estabelecimento do tratamento para minimizar os danos cerebrais.Fontes:http://en.wikipedia.org/wiki/Unverricht%E2%80%93Lundborg_diseasehttp://www.apemsi.org/es/epilepsia/epilepsias-graves/enfermedad-de-unverricht-lundborghttp://ghr.nlm.nih.gov/condition/unverricht-lundborg-disease