Dislexia Arapiraca, Alagoas

Informações sobre Dislexia em Arapiraca. Encontre aqui médicos especialistas, dicas de prevenção, onde fazer diagnóstico e tratamento da Dislexia e endereços e telefones de hospitais e clínicas em Arapiraca.

Espaço Fisio & Saúde
(82) 3529-9600
Rua Nossa Senhora de Fátima 218
Arapiraca, Alagoas
 
Clínica Profª Maria Anunciada
(82) 3521-6500
Rua Monsenhor Macedo 362 c A
Arapiraca, Alagoas
 
Cmi Consultórios Médicos Integrados
(82) 3522-3388
Rua Fernandes Lima, 345
Arapiraca, Alagoas
 
Otomed Alagoas
(82) 3539-1114
Rua 30 de Outubro 121
Arapiraca, Alagoas
 
José C L Silva
(82) 3530-1662
Praça Pereira Magalhães 79
Arapiraca, Alagoas
 
Clínica Imagem
(82) 3521-6192
Rua São Domingos 115
Arapiraca, Alagoas
 
Clínica de Trânsito de Arapiraca
(82) 3522-3303
Rua Teodorico Costa 120
Arapiraca, Alagoas
 
Clínica Ciam
(82) 3522-2533
Avenida Pedro Leão 119
Arapiraca, Alagoas
 
Santa Fé Medical Center
(82) 3482-7133
Rua Esperidião Rodrigues 103
Arapiraca, Alagoas
 
Vaccini Clínica de Vacinação
(82) 3522-2154
Rua Marcelino Magalhães 330
Arapiraca, Alagoas
 

Dislexia

Dislexia é um distúrbio, que gera a dificuldade na aprendizagem, sobretudo no que diz respeito à leitura, soletração e escrita. A dislexia pode atrasar a alfabetização e a vida escolar do aluno, mas é importante destacar que não se trata de um déficit de inteligência.A dislexia não pressupõe o insucesso como estudante ou como profissional, pois não está relacionada a um QI (Quociente de Inteligência) abaixo da média. Ao contrário, é fato que os disléxicos apresentam QI igual ou maior que a maioria das pessoas.As causas da dislexia ainda são objeto de estudo, mas já se pode afirmar que alguns casos têm origem genética, e que as causas podem ser neurológicas, sobretudo no que diz respeito às conexões cerebrais.Segundo os estudiosos, o processamento de informações no cérebro do disléxico acontece em uma área diferente do de uma pessoa sem dislexia, porém, o cérebro do disléxico não difere em nada, é normal.A dislexia é a dificuldade de aprendizagem mais comum, porém não é a única, e às vezes é acompanhada por outros distúrbios, como a hiperatividade.Curioso também o seguinte fato: em países com linguagem ideográfica (como a dos chineses e japoneses), não existem pessoas com dislexia. A explicação está no fato de, nos ideogramas as silabas (existem 71) já estarem completas. Não há a junção entre uma vogal e uma consoante como na nossa linguagem fonética, baseada nos sons. Porém, é claro que nesses países existem outros tipos de dificuldades de aprendizagem.A maior dificuldade do disléxico é, portanto, diferenciar e reconhecer as palavras com sons parecidos e diferenciar fonemas de sílabas. Um exemplo muito utilizado é o das palavras FACA e VACA. Os sons são muito semelhantes, por isso, ao mostrar a figura de uma VACA, é comum a criança disléxica dizer que é uma FACA, apesar de saber que na figura aparece uma vaca, que é o animal da onde vem o leite, que é a “mulher” do boi, e etc. Ou seja, sabe do que se trata, mas tem a dificuldade em usar o fonema correto.Outras manifestações de fácil observação são as inversões (por exemplo, cava em vez de vaca), e as rotações (por exemplo, donita em vez de bonita).Existem inúmeros sintomas que ajudam no diagnóstico da dislexia, o que não significa que alguém que apresente alguns sintomas isolados seja necessariamente um disléxico.Importante ressaltar que o diagnóstico deve ser feito por profissionais qualificados para a tarefa, de preferência por uma equipe multidisciplinar, composta por um psicólogo, um fonoaudiólogo, um psicopedagogo e um neurologista.Em clínicas psicopedagógicas o tratamento tem o objetivo de descobrir modos compensatórios para fazer o disléxico aprender, normalmente fazendo uso de leituras compartilhadas, jogos e atividades para desenvolver a escrita. O trabalho psicopedagógico também procura desenvolver a atenção e a habilidades de memória.