Dipilidiose Corrente PI

Informações sobre Dipilidiose em Corrente. Encontre aqui médicos especialistas, dicas de prevenção, onde fazer diagnóstico e tratamento da Dipilidiose e endereços e telefones de hospitais e clínicas em Corrente.

Climecor
(89) 3573-1123
Rua Antônio Nogueira Carvalho 1147
Corrente, Piauí
 
Centro Médico Correntino
(89) 3573-1483
Rua Antônio Nogueira Carvalho
Corrente, Piauí
 
Bem Cuidar
(86) 3221-1285
Rua Álvaro Mendes 2003
Teresina, Piauí
 
Centro Clínica Clínica Médica Fisioterápica
(86) 3321-2200
Avenida Presidente Vargas 650
Parnaíba, Piauí
 
Vita Clínica
(86) 3276-0711
Rua Padre Domingos 218
Piripiri, Piauí
 
Policlínica de Corrente
(89) 3573-1851
Avenida Desembargador Amaral 1675
Corrente, Piauí
 
Hospital Estadual e Regional D
(89) 3573-1465
Rua Antônio Nogueira Carvalho
Corrente, Piauí
 
Unigastrus
(86) 3252-2063
Rua Benjamin Constant 1062
Campo Maior, Piauí
 
Classi
(86) 3221-8214
Rua Desembargador Pires de Castro 479
Teresina, Piauí
 
Clínica Oftalmológica Dr Welton
(86) 3222-3412
Rua Olavo Bilac 1879
Teresina, Piauí
 

Dipilidiose

A dipilidiose é uma doença, que acomete tanto animais quanto o homem (hospedeires definitivos). É mais comumente encontrado em cães, menos em gatos e em outros carnívoros silvestres. Embora nos cães, este parasita seja pouco patogênico, sua prevalência pode alcançar cerca de 60% de cães infectados em determinadas regiões.Possui como agente etiológico o parasita Dipylidium caninum, que é um cestóide semelhante à tênia, transmitido por pulgas ou, em menor escala, por piolhos mastigadores (hospedeiros intermediários). Possui um corpo segmentado, cuja cabeça, mais conhecida como escoléx, fixa-se no intestino do hospedeiro definitivo, e seu corpo, dividido em segmentos, conhecidos como proglótides, destacam-se deste cestóide e são liberados com as fezes.A larva da pulga infecta-se ingerindo ovos eliminados ao ambiente junto às fezes do hospedeiro definitivo infectado. Nestas larvas, os ovos continuam sua evolução, enquanto a larva da pulga se transforma em adulta e passa a parasitar o animal. Quando este ingere acidentalmente a pulga contaminada, o D. caninum alcança o final do seu ciclo, crescendo e transformando-se em adulto no intestino do hospedeiro definitivo.As crianças são as mais acometidas por este tipo de parasitose, apresentando como manifestações clínicas irritabilidade, insônia e perda de apetite; dores abdominais (cólicas), diarréia e prurido anal são frequentes. Todavia, a doença não é grave. Já nos animais, o sintoma mais comum é prurido anal ocasionalmente, porém pode haver também diarréia e a presença do parasita nas fezes.A profilaxia da dipilidiose humana é feita com maior eficácia por meio do controle de pulgas nos animais, utilizando inseticidas adequados, além da realização de uma vermifugação sistemática dos animais.Fontes:http://www.animalivre.com.br/home/?tipo=noticia&id=2192http://pt.wikipedia.org/wiki/Dipilidiosehttp://www.ciaveterinaria.com.br/noticia_ver.asp?cod=164http://www.dalpet.com.br/caes/doencas-transmissiveis-ao-homem/dipilidiose/http://www.saudeanimal.com.br/zoonose.htm