Craniossinostose Caçador SC

Informações sobre Craniossinostose em Caçador. Encontre aqui médicos especialistas, dicas de prevenção, onde fazer diagnóstico e tratamento de Craniossinostose e endereços e telefones de hospitais e clínicas em Caçador.

Clínica Dr Bridi
(49) 3563-3031
Rua Campos Novos 665
Caçador, Santa Catarina
 
Suzana S S Rosa
(49) 3563-3576
Rua Benjamin Constant 70 ap 202
Caçador, Santa Catarina
 
Daniel Silveira Gomes
(49) 3246-3455
Avenida João Marques Vieira 1012
Fraiburgo, Santa Catarina
 
Benitez Medicina Geral
(49) 3246-4743
Rua 7 de Setembro 109 ap 1
Fraiburgo, Santa Catarina
 
Clínica Dr Miranda
(49) 3566-1323
Rua Veneriano Passos 213
Videira, Santa Catarina
 
Cléber Roberto
(49) 3567-5077
Avenida Barão do Rio Branco 1260 s 26
Caçador, Santa Catarina
 
Policlínica Fraiburgo
(49) 3246-4806
Avenida João Marques Vieira 925
Fraiburgo, Santa Catarina
 
Clínica Dr Dalazen
(49) 3246-3500
Rua Andrades 500
Fraiburgo, Santa Catarina
 
Dermo Clínica Mottecy
(49) 3533-1657
Rua Brasil 309 s 302
Videira, Santa Catarina
 
Clínica Urológica Dr Lúcio Mauro Souza
(49) 3566-0482
Rua Coronel Fagundes 170
Videira, Santa Catarina
 

Craniossinostose

Craniossinostose, também denominada cranioestenose, é uma anomalia resultante da fusão prematura das suturas craniais.O normal é que, ao nascer, o recém-nascido apresente os ossos do crânio separados por suturas e duas aberturas no topo, denominadas fontanela anterior e posterior, conhecidas popularmente como moleiras. As principais funções dessas estruturas são: facilitar a passagem do feto pelo canal inguinal no momento do parto e permitir o crescimento adequado do cérebro. Posteriormente estas aberturas fecharam naturalmente.O formato da cabeça pode variar de indivíduo para indivíduo, de acordo com a característica familiar. Por conseguinte ao nascimento, é comum o recém-nascido apresentar deformações na calota craniana que são conseqüentes da compressão destas no parto. Contudo, dentro de 7 a 10 dias a cabeça retoma o formato normal.Durante o primeiro ano de vida, o cérebro atinge metade do tamanho que terá quando adulto e finaliza seu crescimento no término do segundo ano de vida. A fontanela anterior é maior do que a posterior e também é a que fecha mais vagarosamente, ocorrendo por volta do 9° ao 15° mês de vida, enquanto que a fontanela menor normalmente fecha no 2° mês de vida.No caso da craniossinostose, há uma modificação no formato do crânio, uma vez que o cérebro fica impossibilitado de crescer normalmente. Esse fechamento adiantado pode resultar em deformidades na cabeça e até problemas neurológicos severos.Ocorre mais comumente em indivíduos do sexo masculino e pesquisas evidenciam que há um caso de craniossinostose para cada 2.000 nascidos vivos. Esta afecção é congênita e inicia-se durante o desenvolvimento embrionário. Pode ter etiologia hereditária, intra-uterina ou infecciosa; o uso de certos fármacos durante a gestação também podem levar a esta anomalia.O diagnóstico é realizado por meio do exame físico da cabeça do recém-nascido, juntamente com o exame radiológico e avaliação por neuroimagem. Estes exames evidenciam o fechamento da sutura e as possíveis malformações dos ossos da face e/ou do sistema nervoso.Este problema deve ser tratado antes dos 8 meses de vida; todavia, é importante que o diagnóstico seja estabelecido até o fim do 2° mês de vida da criança, para possibilitar a realização de um acompanhamento neurológico mais detalhado. O tratamento é cirúrgico, no qual se cria espaços ou suturas entre os ossos do crânio.Fontes:http://www.spsp.org.br/spsp_2008/materias.asp?Id_Pagina=25http://www.artesmedicas.com/craniossinostose.htmhttp://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-39842005000500013&script=sci_arttexthttp://www.neurocirurgia.me/Neurocirurgia/Craniossinostose.htmlhttp://pt.wikipedia.org/wiki/Craniossinostose