Coroideremia Corrente PI

Informações sobre Coroideremia em Corrente. Encontre aqui médicos especialistas, dicas de prevenção, onde fazer diagnóstico e tratamento da Coroideremia e endereços e telefones de hospitais e clínicas em Corrente.

Centro Médico Correntino
(89) 3573-1483
Rua Antônio Nogueira Carvalho
Corrente, Piauí
 
Climecor
(89) 3573-1123
Rua Antônio Nogueira Carvalho 1147
Corrente, Piauí
 
Clínica Oftalmológica Dr Welton
(86) 3222-3412
Rua Olavo Bilac 1879
Teresina, Piauí
 
Clínica Ciep
(89) 3422-6055
Rua Monsenhor Hipólito 590
Picos, Piauí
 
Plamed Hospital de Reabilitação
(86) 3081-2815
Rua Rui Barbosa 865
Teresina, Piauí
 
Policlínica de Corrente
(89) 3573-1851
Avenida Desembargador Amaral 1675
Corrente, Piauí
 
Hospital Estadual e Regional D
(89) 3573-1465
Rua Antônio Nogueira Carvalho
Corrente, Piauí
 
Gastromed
(86) 3223-7111
Rua Félix Pacheco 1788
Teresina, Piauí
 
Clinef
(86) 3262-1444
Rua Telesforo do Vale 270
Altos, Piauí
 
Clínica Medicina Física Picos
(89) 3422-3056
Avenida Nossa Senhora de Fátima 466
Picos, Piauí
 

Coroideremia

A coroideremia, também denominada distrofia tapeto coroidal, consiste em uma distrofia cório-retiniana hereditária, que se caracteriza pela perda progressiva da visão, acometendo habitualmente indivíduos do sexo masculino, em decorrência do seu padrão de transmissão genética recessiva ligada ao cromossomo X. Quando as mulheres são portadoras de gene defeituoso, apresentam um quadro incompleto da patologia.Estima-se que a prevalência da coroideremia gire em torno de 1 indivíduo acometido para cada 50.000 a 10.000 indivíduos nascidos vivos. Acredita-se que esta condição seja responsável por aproximadamente 4% da totalidade dos quadros de cegueira.Comumente, o primeiro sintoma que os portadores desta patologia manifestam é a cegueira noturna (deficiência visual em locais de baixa luminosidade), que está presente na infância. Por conseguinte, surge a redução progressiva do campo visual, assim como uma redução na acuidade visual. Estes problemas resultam de uma perda permanente de células no tecido da retina, que é sensível à luz, bem como da coróide. Esta deficiência tende a evoluir gradativamente, levando à cegueira, tipicamente na idade adulta.Para o diagnóstico desta patologia, exames visuais, como o de fundo de olho e o de campo visual apresentam muitas alterações significativas. Testes eletrofisiológicos evidenciam respostas muito alteradas no eletroretinograma e no potencial visual evocado. Para confirmação do diagnóstico, existem testes genéticos capazes de diagnosticar a coroideremia.Existe um novo tratamento que ainda está em fase de teste que visa impedir a morte das células da retina e da coróide, injetando-se cópias de genes sadios nesse local. Caso se alcance sucesso com a implementação dessa técnica, a mesma poderá ser utilizada para tratar uma ampla variedade de deficiências visuais, como, por exemplo, a degeneração macular, uma das formas mais comuns de cegueira nos indivíduos de idade mais avançada.Fontes:http://www.portaldaretina.com.br/home/saibamais.asp?cod=165http://ghr.nlm.nih.gov/condition/choroideremiahttp://en.wikipedia.org/wiki/Choroideremiahttp://www.bbc.co.uk/news/health-15446912