Clínica de Estética Forquilhinha SC

Encontre Clínica de Estética em Forquilhinha. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Glayse June Sasaki Acácio
(48) 3437-6117
Rua Coronel Pedro Benedet 1 s 11 c 505
Criciúma, Santa Catarina
 
L'evidence Clínica Fisioterapia e Estética Ltda
(48) 3433-4532
Rua Coronel Pedro Benedet 363 s 403 s 404
Criciúma, Santa Catarina
 
Clínica Unna
(48) 3433-3307
Rua Coronel Pedro Benedet 505 s 110
Criciúma, Santa Catarina
 
Persona Clínica de Estética
(48) 3432-4235
Rua Coronel Marcos Rovaris 1309
Içara, Santa Catarina
 
Estética Tânia
(48) 3432-5834
Rua Vitória 297
Içara, Santa Catarina
 
Clínica de Estética Line
(48) 3045-4275
Tv Henrique Lodetti 270 ap 27
Criciúma, Santa Catarina
 
Bela Fisio
(48) 3442-0457
Rua Rio Grande do Norte
Criciúma, Santa Catarina
 
Centro Estético Um Brinde A Beleza
(48) 3442-7922
Rua Celestina Zilli Rovaris 105 s 1
Criciúma, Santa Catarina
 
Fisiobella
(48) 3432-5937
Rua Altamiro Guimarães 326
Içara, Santa Catarina
 
Mharah Estética
(48) 3524-0485
Avenida Getúlio Vargas 227 s 4
Araranguá, Santa Catarina
 

Clínicas de Estética

Estética é uma palavra com origem no termo grego aisthetiké, que significa “aquele que nota, que percebe”. Estética é a conhecida como a filosofia da arte, ou estudo que determina o caráter daquilo que é belo nas produções naturais e artísticas.

A estética é uma ciência que remete para a beleza e também aborda o sentimento que alguma coisa bela desperta dentro de cada um de nós.

Como está intimamente ligada ao conceito de beleza, existem vários centros ou clínicas de estética, onde pessoas podem fazer vários tratamentos com o objetivo de melhorar a sua aparência física.

Estética na filosofia
A estética também é conhecida como a filosofia do belo e originalmente o termo designava a teoria do conhecimento sensível (estesiologia). O seu significado atual foi introduzido por A.G. Baumgarten para designar o que na sua época se denominava "crítica do gosto".

A filosofia se interrogou em todas as épocas acerca da essência do belo, problema central da estética. Para Platão, o belo se identifica com o bom, e toda a estética idealista parte dessa concepção platônica. A estética de Aristóteles assenta sobre princípios realistas: a teoria da imitação e a catarse.

A estética neoplatônica, representada por Plotino, ressurge na Renascença, especialmente com A.A.C. Shaftesbury (escola inglesa do sentimento moral) e se repete em algumas direções do idealismo romântico, que interpretam o belo como manifestação do espírito em que este se desdobra. O classicismo francês (Descartes e Boileau-Despréaux) se mantém na linha traçada por Aristóteles, embora o racionalismo introduza os conceitos de "claridade" e "distinção" como os critérios de beleza, aos quais J. B Du Bos agrega o da pureza dos afetos.

O século XVIII representa o ponto culminante na história da estética. Os ingleses analisaram a impressão estética e distinguiram entre a beleza experimentada de modo imediato e a beleza relativa, determinada, por certos fins, separando igualmente o belo do "sublime" (E. Burke).

Na Crítica do Juízo, Kant estabeleceu o caráter a priori do juízo estético, definindo o belo como uma "finalidade sem fim" e chamando estética transcendental à "ciência de todos os princípios a priori da sensibilidade". O classicismo alemão se alimentou destes princípios kantianos (Schiller, Goethe, W. Von Humboldt). No século XIX, G.T. Fechner fundou a estética indutiva ou experimental, que opôs à estética especulativa. Esta incidência psicológica foi desenvolvida por O. Külpe e E. Meumann, entre outros, e logo se foi ampliando até incluir pontos de vista biológicos, antropológicos e sociológicos.

Na estética contemporânea, é importante salientar duas tendências: a ontológica-metafísica, que desloca radicalmente a categoria do belo, substituindo-a pela do verdadeiro ou do verídico; e a tendência histórico-sociológica, que estuda a obra de arte entendida fundamentalmente como documento e manifestação do trabalho do homem, analisada no seu próprio âmbito sócio-histórico.