Clínica da mulher Palmeira dos Índios AL

Encontre Clínica da mulher em Palmeira dos Índios. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Cemep
(82) 3421-2253
Rua Marechal Deodoro da Fonseca 67
Palmeira dos Índios, Alagoas
 
Uniclínica
(82) 3421-4409
Rua 15 de Novembro 112
Palmeira dos Índios, Alagoas
 
Marlúcia Pires de Araújo
(91) 3267-4705
Avenida Paulo Costa 2560 c A
Belém, Pará
 
Policlínica Infantil
(91) 3241-1192
Pass Nazaré 1297
Belém, Pará
 
Clínica Samed
(91) 3073-1000
Avenida Tavares Bastos 290
Belém, Pará
 
Centroclin
(82) 3421-4484
Rua Marechal Deodoro da Fonseca 70
Palmeira dos Índios, Alagoas
 
Clínica Uronefro
(91) 3246-5215
Tv Timbó 3161 s 3
Belém, Pará
 
Qualysaude
(91) 3272-0003
Avenida Ceará 115
Belém, Pará
 
Clínica Santo Antônio
(91) 3227-0308
Tv Pimenta Bueno 116
Belém, Pará
 
Centro Médico Doutor Luís Otávio
(91) 3227-0056
Tv 3ª 655
Belém, Pará
 

Clínica da mulher

No outro artigo falamos sobre os bloqueios físicos e psicológicos que podem diminuir a libido feminina. E para as mulheres terem uma vida sexual mais prazerosa, é preciso adotar alguns cuidados com a saúde vaginal. Além desse cuidado beneficiar o sexo, ainda estimula o próprio prazer e o da pessoa parceira, e previne complicações ginecológicas, como incontinência urinária, prolapso genital (queda do útero) e dispareunia (dor vaginal).

A vagina, assim como o ventre, é símbolo do orgulho feminino e o que, de forma geral, anatomicamente diferencia as mulheres dos homens. E o nosso cérebro faz associações entre as emoções e essa região do corpo feminino. Toda vez que passamos por sentimentos fortes na vida, o cérebro envia estímulos para o corpo, onde serão registrados os acontecimentos que vivemos.

Por exemplo: quando nos sentimos sobrecarregados de responsabilidades, o cérebro mandará estímulos para o músculo do trapézio, deixando tensa a musculatura das costas e do ombro. É daí, inclusive, que vem o termo "carregar tudo nas costas". O mesmo ocorre com as emoções envolvendo a vida amorosa, como conflitos de relacionamento ou sexuais, como uma traição, por exemplo. Nesse caso, o sentimento de cobrança ou desilusão será refletido, por meio do cérebro, no útero e na musculatura vaginal da mulher. Isso poderá prejudicar a vida sexual de alguma forma, deixando os músculos da vagina tensos e enfraquecidos, que por sua vez causarão problemas como retenção ou infecção urinária e dor na relação sexual.

PREPARANDO O CORPO PARA O SEXO

Além deste reflexo psicológico somado no corpo, ainda há o agravante das mulheres ocidentais não terem o hábito de fortalecer e cuidar da sua musculatura vaginal, sofrendo com essa falta de prevenção. Quando está em condições normais, os músculos da vagina apresentam boa sensibilidade, força, sustentação (que é a contração sustentada durante um bom tempo), coordenação motora e um bom relaxamento (que exige condições favoráveis para relaxar a musculatura quando necessário). Mas quando a mulher apresenta a musculatura vaginal tensionada, não possui essas funções.

Muitas mulheres recorrem aos exercícios de pompoarismo e kegel, que servem para fortalecer a musculatura vaginal. No entanto, muitas fazem isso sem orientações e ao invés serem beneficiadas, prejudicam ainda mais o tônus dos músculos vaginais. Aprenda a fazer corretamente o exercício mais adequado para o seu tipo de musculatura vaginal, através do teste a seguir. Anote suas respostas em um papel e depois confira nas próximas páginas como cuidar da sua saúde íntima.

TESTE

1 - Você consegue contrair a sua musculatura vaginal, como se segurasse o xixi?

a) Sim, consigo. Sinto perfeitamente a musculatura contraindo.

b) Não, eu não consigo sentir se estou contraindo. è um pouco confuso.

c) Sim, consigo. Mas não sinto os músculos muito bem.

2 - Em algum momento na vida você teve muita vontade de urinar e não pode conter, mesmo que fosse somente a perda de algumas gotinhas?

a) Nunca me aconteceu.

b) Sim, mas poucas vezes.

c) Ocorre com frequência.

3 - Ao urinar:

a) Você sente que ao finalizar nunca resta mais urina, mesmo que você tente forçar um pouquinho. Ou seja, você esvazia a bexiga por completo, tudo de uma vez só.

b) Você percebe que depois de finalizar o jato de urina sempre caem mais algumas gotas e, se fizer força, sai mais xixi.

4 - Ao urinar, o jato de urina:

a) É forte e sai tudo uma única vez.

b) Varia entre jato forte e fraco, que para e continua de novo.

c) É fraco, você precisa fazer força ou inclinar seu corpo para frente a fim de esvaziar tudo e deixar o jato mais forte.

5 - Contraia a musculatura vaginal e segure, contando até dez.

a) Você sentiu que ela se manteve contraída durante toda a contagem.

b) Você sentiu que ela se manteve contraída quando contou até aproximadamente cinco. Depois foi perdendo a contração aos poucos.

c) Você não conseguiu manter a musculatura contraída.

6 - Agora contraia e relaxe a musculatura vaginal. Faça isso dez vezes seguidas, em aproximadamente dez segundos.

a) Você conseguiu realizar as dez contrações no tempo certo.

b) Você se complicou, achou difícil.

c) Você sentiu uma espécie de fadiga muscular.

d) Não conseguiu.

7 - Sente com a vagina sob sua mão e contraia a musculatura vaginal com toda força que puder.

a) Você sentiu a musculatura contrair na sua mão com bastante força.

b) Você não sentiu a musculatura contrair na sua mão, mas sentiu que ela estava contraindo mesmo assim.

c) Você sentiu, mas foi pouco ou nem sentiu.