Câncer no Colo de Útero Vila Velha, Espírito Santo

Informações sobre Câncer no Colo de Útero em Vila Velha. Encontre aqui médicos especialistas, dicas de prevenção, onde fazer diagnóstico e tratamento de Câncer no Colo de Útero e endereços e telefones de hospitais e clínicas em Vila Velha.

Nelson Luiz Nunes de Faria
270-0003
R Xv Deovembro 777
Vila Velha, Espírito Santo
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Fernando Sergio Martins
Rua Ferreira Coelho 330 - Sala 714
Vitoria, Espírito Santo
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Vitória Apart Oncologia Ltda.
Rodovia Br 101 - Norte Km 02
Serra, Espírito Santo
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Renato Augusto de Mattos Coutinho
273-3293
R Henrique Moscoso 73
Vila Velha, Espírito Santo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Laerce Saudino Cardoso
Clínica Médica Gastroenterologia
Vila Velha, Espírito Santo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Persio Pinheiro de Freitas
Cancerologia Radioterapia
Vitoria, Espírito Santo
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Carlos Magno Bortolini
R.Engenheiro Guilherme Jose Monjardim Varejao 140
Vitoria, Espírito Santo
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Dionisio Avanza Filho
Vila Velha, Espírito Santo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Teresa Cristina Gomes Guerra do Amaral
(27) 3229-6255
R Henrique Moscoso 460 - Praia da Costa
Vila Velha, Espírito Santo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Humberto Furtado da Fonseca
272-1213
Rod do Sol Km 01 - Hospital Santa Monicas/207
Vila Velha, Espírito Santo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Câncer no Colo de Útero

O câncer no colo de útero é caracterizado por alterações celulares no colo do útero feminino. Essas células anormais apresentam crescimento lento. São necessários anos para que as células anormais, que a princípio não são chamadas de câncer, e sim de displasias (células pré-cancerigenas), tornem-se células tumorais.Daí a importância do exame preventivo, ou Papanicolau, que é capaz de detectar as alterações celulares logo no inicio, pois consiste exatamente na coleta de material citológico, ou seja, de células da parte interna e externa do útero. Esse exame deve ser realizado anualmente (ou de acordo com a indicação médica) por mulheres que tenham iniciado sua vida sexual (ainda que não estejam ativas), sobretudo dos 25 aos 59 anos.Quando é detectada alguma alteração celular, o médico pode optar por uma colposcopia, um exame simples e indolor, que permite ao médico observar o colo uterino com visão aumentada e iluminada, a procura de lesões. Caso encontre alguma alteração, o médico pode optar por realizar uma biópsia, ou mesmo retirar toda a lesão, quando pequena. São dois os tipos de células cancerígenas nesse caso: o Carcinoma de células escamosas (responsável pela maioria dos casos), e o Adenocarcinomas (de menor incidência).A incidência do câncer de colo de útero é grande. Dentre os fatores de risco destaca-se a infecção por HPV (papilomavírus humano), vírus sexualmente transmissível. A maioria dos casos de câncer no colo do útero é causada por duas variedades de HPV (existem mais de 100 variedades). Felizmente, já existe uma vacina para os tipos de HPV causadores de câncer no colo do útero, embora a mesma ainda não seja fornecida pelo Sistema Único de Saúde.Devido ao lento crescimento das células anormais, os primeiros sintomas do câncer no colo do útero só aparecem quando a doença já progrediu. São eles: dor durante as relações, menstruação longa e em grande quantidade, pequenos sangramentos fora da época, após relações sexuais, exames ginecológicos ou ainda após a menopausa, e corrimento.O tratamento utilizado depende de cada caso, e principalmente da precocidade do diagnóstico. A cirurgia pode ser indicada, tanto para retirar ou destruir apenas a região afetada (criocirurgia, cirurgia a laser ou conização), ou, em casos mais avançados, retirar o colo e o útero (histerectomia), entre outras. Radioterapia e quimioterapia também são utilizadas.Os índices de cura e de sobrevida variam de acordo com a precocidade do diagnóstico.