Câncer de Pênis Trindade GO

Informações sobre Câncer de Pênis em Trindade. Encontre aqui médicos especialistas, dicas de prevenção, onde fazer diagnóstico e tratamento de Câncer de Pênis e endereços e telefones de hospitais e clínicas em Trindade.

Jales Benevides Santana Filho
(62) 3235-7200
R 1035 - Multimed
Goiania, Goiás
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Maria Marcia de Queiroz
(62) 3212-7333
R 39 - 181 Hosp Araujo Jorge
Goiania, Goiás
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Sormany Del Carmo de a Cordeiro
(62) 3093-9662
R 0006 - a 72
Goiania, Goiás
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Patricia Carneiro de Brito
Rua 239 - 181
Goiania, Goiás
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Francisco de Assis F Dourado
(62) 3243-7000
R 39 - 181 Hosp Araujo Jorge
Goiania, Goiás
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Patricia Carneiro de Brito
(62) 3212-5010
Hematol e Hemoter Pediatrica Area Atuac 239 - 181 Hosp Araujo Jorge
Goiania, Goiás
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Orlando Milhomem da Mota
(62) 3225-3471
R 9 235 - Clin Sta Cecilia
Goiania, Goiás
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Carlos Inacio de Paula
(62) 3202-4040
Avacoes Unidasdas 180
Goiania, Goiás
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Osterno Queiroz da Silva
(62) 3243-7000
R 39 - 181 Hosp Araujo Jorge
Goiania, Goiás
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Hilton Rinaldo Salles Piccelli
(62) 3281-8121
R 0148 - 634
Goiania, Goiás
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Câncer de Pênis

O câncer de pênis compreende uma neoplasia maligna que acomete homens, em especial, com idade superior a 40 anos (81,6%), brancos, de baixa renda e não circuncidados.Esta moléstia é rara e está relacionada com hábitos de higiene e de comportamento sexual. Deste modo, sua incidência pode ser significativamente reduzida por meio da educação da população. Pesquisas relacionaram o desenvolvimento do câncer de pênis com a presença da infecção pelo vírus HPV (papilomavírus humano).No Brasil, este tipo de câncer representa aproximadamente 2% da totalidade de neoplasias do homem e apresenta incidência 5 vezes mais elevada nos estados das regiões Norte e Nordeste, em relação a região Sul e Sudeste, chegando a ultrapassar, numericamente falando, as neoplasias de próstata e bexiga. Esta doença é responsável por aproximadamente 1.000 amputações anuais de pênis, no país.A suspeita do diagnóstico aparece em pacientes que apresentam histórico de úlceras penianas, que exalam forte odor de esmegma e que não responde a diferentes tipos de tratamentos. A confirmação é alcançada através da biópsia, na qual é feita a colheita de uma amostra do tecido acometido, e posterior análise laboratorial.Quando o diagnóstico é feito precocemente, existe tratamento e a cura pode ser alcançada com facilidade. Este, por sua vez, fica a critério do médico em função do estágio no qual a patologia se encontra. Pode ser realizado um tratamento local com radioterapia, cirurgia, amputação parcial ou total do órgão. A utilização da quimioterapia não é tão comum e irá depender da presença ou não de metástase e outras variáveis. Quando a metástase alcançar o sistema linfático, se faz necessária a remoção de linfonodos acometidos.Os tratamentos frequentemente não afetam a fertilidade do paciente, somente em casos de amputação do membro, tornando-o impotente.É importante que ao realizar a higiene íntima, o homem fique atento a alguns sinais:Perda de pigmentação ou manchas esbranquiçadas;Feridas e nódulos no pênis que não somem após tratamento médico e que apresentem secreções e mau odor;Tumorações no pênis e ou na virilha;Inflamação por longo tempo com vermelhidão e prurido (coceira), especialmente nos indivíduos não circuncidados;Fontes:http://boasaude.uol.com.br/lib/ShowDoc.cfm?LibDocID=3990&ReturnCatID=1746http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?62http://saude.abril.com.br/edicoes/0286/medicina/conteudo_239041.shtmlhttp://www.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/penis/deteccao_precocehttp://www.saude.ba.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=169&catid=3&Itemid=18