Câncer de Mama Vila Velha, Espírito Santo

Informações sobre Câncer de Mama em Vila Velha. Encontre aqui médicos especialistas, dicas de prevenção, onde fazer diagnóstico e tratamento de Câncer de Mama e endereços e telefones de hospitais e clínicas em Vila Velha.

Nelson Luiz Nunes de Faria
270-0003
R Xv Deovembro 777
Vila Velha, Espírito Santo
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Persio Pinheiro de Freitas
Cancerologia Radioterapia
Vitoria, Espírito Santo
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Vitória Apart Oncologia Ltda.
Rodovia Br 101 - Norte Km 02
Serra, Espírito Santo
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Dionisio Avanza Filho
Vila Velha, Espírito Santo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Humberto Furtado da Fonseca
272-1213
Rod do Sol Km 01 - Hospital Santa Monicas/207
Vila Velha, Espírito Santo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Fernando Sergio Martins
Rua Ferreira Coelho 330 - Sala 714
Vitoria, Espírito Santo
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Carlos Magno Bortolini
R.Engenheiro Guilherme Jose Monjardim Varejao 140
Vitoria, Espírito Santo
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Renato Augusto de Mattos Coutinho
273-3293
R Henrique Moscoso 73
Vila Velha, Espírito Santo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Laerce Saudino Cardoso
Clínica Médica Gastroenterologia
Vila Velha, Espírito Santo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Teresa Cristina Gomes Guerra do Amaral
(27) 3229-6255
R Henrique Moscoso 460 - Praia da Costa
Vila Velha, Espírito Santo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Câncer de Mama

O câncer de mama, atualmente, é o segundo tumor maligno mais freqüente entre as mulheres nos paises desenvolvidos. No Brasil o risco estimado é de 52 casos/ mil mulheres, no sul e sudeste este numero é mais elevado. Alem da incidência elevada, o CA de mama também apresenta alta taxa de mortalidade, porem esse índice pode ser revertido com a detecção precoce da doença.Este tumor acomete principalmente mulheres entre 45 e 55 anos, e o risco aumenta quando existe antecedentes familiares de câncer de mama. Outros fatores também podem interferir no aparecimento da doença, como: primeiro filho após os 30 anos, menarca precoce (antes dos 12 anos), ou menopausa tardia (após 55 anos), falta de amamentação, terapia de reposição hormonal, obesidade e consumo excessivo de álcool.Este câncer é resultado de uma incapacidade da regulação normal da proliferação celular do tecido mamário, decorrente de uma alteração genética. Essa mutação genética nem sempre é herdada ( apenas 10% dos casos), mas adquirida ao longo da vida. O período entre a primeira mutação e o aparecimento de um nódulo de 1cm é de aproximadamente 1 ano, dando a esse câncer um caráter de evolução lenta, no entanto, depois de atingir esse tamanho ele pode duplicar sua dimensão a cada 100 dias.O exame físico é fundamental para detectar o câncer em suas fases iniciais e se baseia nas seguintes partes:- inspeção estática;- inspeção dinâmica, incluindo manobras de elevação dos braços, contração dos músculos peitorais e das mamas pendentes;- palpação do parênquima mamário;- palpação dos linfonodos axilares, supraclaviculares e infraclaviculares;- expressão do complexo aréolo-papilar.A principal manifestação clinica é o aparecimento de um nódulo, geralmente duro, indolor, pouco móvel e irregular.O melhor exame é a mamografia, tanto para diagnóstico como para rastreamento.O auto-exame é ainda importante em países pobres e em desenvolvimento. É preconizado em mulheres a partir de 20 anos e realizado mensalmente, após o término do fluxo menstrual. Seu custo é zero e alerta as mulheres sobre a importância do câncer de mama. Entretanto, com o auto-exame a detecção dos nódulos é feita, em média, quando apresentam 2 a 3 cm e, desta maneira, não pode ser considerado como forma de detecção precoce. Assim mamografia torna-se o método padrão para o rastreamento populacional e detecção precoce do câncer de mama.A American Cancer Society of Breast Diseases preconiza que o rastreamento mamográfico inicie-se aos 40 anos e seja anual a partir desta idade. Já o Ministério da Saúde recomenda, em mulheres de baixo risco para o desenvolvimento do câncer de mama, que a mamografia seja bianual a partir dos 50 anos. Já nas mulheres de alto risco, o Ministério da Saúde orienta que o exame seja realizado anualmente a partir dos 35 anos.A disseminação de metástases pelo câncer de mama é muito precoce, e por esse motivo as medidas terapêuticas são radicais, como a retirada da mama e dos linfonodos locais. A radioterapia também é usada no tratamento de tumores mais volumosos e para evitar a recidiva local.Em casos de duvidas busque informações mais específicas com o seu médico.