Câncer anal Brasília, DF

Informações sobre Câncer anal em Brasília. Encontre aqui médicos especialistas, dicas de prevenção, onde fazer diagnóstico e tratamento de Câncer anal e endereços e telefones de hospitais e clínicas em Brasília.

Marcia Ayres da Motta Teodoro
(61) 3346-1842
Shls 716 Ed. C. Cl. Sul 1 - S 309
Brasilia, DF
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Aleia Aparecida de Oliveira
335-1639
Cancerologia Ginecologia e Obstetrícia
Brasilia, DF
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Maria Celeste dos S Oliveira
324-5497
Brasilia, DF
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Jose Nilton Alves de Lima
Shls 716 - Torre Ii Sala 222 Centro Clinico Sul
Brasilia, DF
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Sergio Renato Pais Costa
(61) 3445-0268
Shls Lt C - hospital santa lúcia consultórios 8 e 25
Brasilia, DF
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Valdir Nunes de Sousa
344-5026
Cancerologia Ginecologia e Obstetrícia
Brasilia, DF
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Valeska Marques de Menezes Machado
(61) 3315-1406
Shn Qd 605 L 2 - Norte
Brasilia, DF
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Silvio Carlos Duarte
(32) 457-7840
Cancerologia Ginecologia e Obstetrícia Mastologia
Brasilia, DF
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Maria Quiteria Cordeiro dos Santos
Shln Bloco Jsala 14 - Ed. Multiclinicas
Brasilia, DF
Especialidade
Cancerologia

Dados Divulgados por
Alexandre Lima Rodrigues da Cunha
(61) 3345-5505
Shls 716 Centro Clinico Sul Torre Ii Sala 420
Brasilia, DF
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Câncer anal

O câncer anal, ou câncer de ânus, trata-se de uma neoplasia maligna, relativamente rara, que acomete o canal e as bordas extremas do ânus.Os tumores no canal anal são mais comuns nas mulheres, enquanto que tumores nas bordas do ânus são mais comuns em homens.Câncer anal é raro e representa entre 1 a 2% da totalidade de casos de tumores do cólon e entre 2 a 4% de todas as neoplasias que afetam o intestino grosso, predominante entre os 58 a 64 anos de idade.Nos últimos anos, a incidência desta neoplasia tem aumentado. Sabe-se que o comportamento sexual pode predispor ao surgimento deste transtorno. Os fatores de risco incluem infecção por HPV, infecção por HIV, relações homossexuais, tabagismo, imunossupressão após transplante de órgão, portadores de fístula anal ou ferida aberta, hábitos alimentares pobre em fibras e prática de sexo anal. Até o momento, não foi estabelecida relação com outras doenças sexualmente transmissíveis, como sífilis, gonorreia, clamídia, dentre outras.Indivíduos com as características acima citadas devem visitar regularmente um coloproctologista, especialmente na presença das seguintes características:Alterações intestinais (intestino preso ou solto);Presença de sangue ou pus nas evacuações;Presença de caroço na área externa ou interna;Dor, pressão ou coceira;Inchaço no ânus ou virilha.O diagnóstico deve ser estabelecido pelo coloproctologista, por meio dos seguintes exames:Inspeção e toque retal;Anuscopia;Retoscopia;Ultrassonografia endoanal;Biópsia.O tratamento fica na dependência da extensão da neoplasia e suas condições clínicas. Tipicamente, é feita a combinação de quimioterapia e radioterapia. Quando descoberto no início, a cirurgia geralmente leva a resultados positivos.Pode haver recidivas, por isso devem ser feitos exames regularmente.Fontes:http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/analhttp://www.saudeintegradavida.com/cancer-analhttp://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-69912010000400005