Calazar Miguel Alves PI

Informações sobre Calazar em Miguel Alves. Encontre aqui médicos especialistas, dicas de prevenção, onde fazer diagnóstico e tratamento do Calazar e endereços e telefones de hospitais e clínicas em Miguel Alves.

Hospital Pedro Vasconcelos
(86) 3244-1228
Avenida Desembargador Simplicio Mendes 576
Miguel Alves, Piauí
 
Fundacao Saude Assist C Neto
(98) 3473-1181
Rua Deputado Raimundo Bacelar
Coelho Neto, Maranhão
 
Hospital do Trabalhador Buritiense
(98) 3482-1158
Rua Antônio Pereira Mourão 84
Buriti, Maranhão
 
Laboratório Napoleão Dias
(89) 3422-3949
Rua Marcos Parente 184
Picos, Piauí
 
Ozael Ferreira dos Santos
(86) 3221-1128
Rua Magalhães Filho 476
Teresina, Piauí
 
Hospital Presidente Medice
(98) 3474-1181
Rua Fernando Ferrari 52
Duque Bacelar, Maranhão
 
Casa de Saúde Maternidade Coelho Neto
(98) 3473-1419
Avenida Antônio Guimarães
Coelho Neto, Maranhão
 
Unidade de Diagnóstico Por Imagem
(86) 3226-2008
Rua Félix Pacheco 2241
Teresina, Piauí
 
Cárdio Center
(86) 3322-1126
Rua Riachuelo 840
Parnaíba, Piauí
 
Clínica de Habilitação do Trânsito
(86) 3218-2475
Avenida Miguel Rosa 6666
Teresina, Piauí
 

Calazar

A Leishmaniose visceral ou Calazar é uma doença causada pelo protozoário da família Trypanosomatidae e pertencente ao gênero Leishmania. A transmissão da doença é através da picada de insetos hematófagos do gênero Lutzomya e Phlebotomus.É uma doença própria de zonas rurais ocorrendo no Brasil casos em todos os estados costeiros, do Pará ao Paraná e em estados centrais como Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul. Pode ser adquirida em vilas ou em subúrbios de grandes cidades onde as condições ambientais são apropriadas para o desenvolvimento do vetor (mosquito). Possui como reservatório principalmente o cão e a raposa. Apresentam parasitismo cutâneo intenso e são excelente fontes de infecção para flebotomíneos, mantendo o ciclo da doença no ambiente domiciliar e silvestre.Este tipo de leishmaniose é considerada a mais grave. O parasita migra para os órgãos viscerais do hospedeiro atingindo o fígado, baço e medula óssea, causando sintomas graves, que podem até mesmo levar à morte. O indivíduo pode apresentar febre, hepatoesplenomegalia, anemia, leucopenia, problemas renais, alterações pulmonares, tosse seca, descamação da pele e queda dos cabelos. Além disto, o fígado e baço podem ter seu tamanho aumentado, já que a doença acomete estes órgãos. O período de incubação da doença é muito variável: entre dez dias a 24 meses.Morfologia do protozoário LeishmaniaFormas amastigotas: São ovais ou esféricas. No citoplasma podemos encontrar vacúolos, um único núcleo e o cinetoplasto em forma de um pequeno bastão. Não há flagelo livre.Formas promastigotas: São alongados e apresentam um flagelo livre. No citoplasma existe a presença de granulações e pequenos vacúolos. O núcleo situa-se na região central da célula. O cinetoplasto apresenta-se situado entre a extremidade da região anterior e o núlceo.Formas paramastigotas: São ovais ou arredondadas com cinetoplasto margeando o núcleo ou posterior a este, e um pequeno flagelo livre. São encontradas aderidas ao epitélio do trato digestivo do vetor.Ciclo evolutivoNo mosquito:No homem:Medidas de prevenção da LeishmanioseProteção individual, com utilização de repelentes, utilização de mosquiteiros, telagem das janelas, uso de inseticidas.Construção de casas a uma distância de 500 metros da mata.Eliminação dos reservatórios.Tratamento dos indivíduos contaminados.Desenvolvimento de uma vacina.Diagnóstico LaboratorialPesquisa do parasita (material das úlceras ou colhido no fígado, baço e medula óssea):Esfregaços corados pelo GiensaCulturaMétodos imunológicos:Reação de fixação de complemento (Elisa)Imunoflorescência indiretaTeste de MontenegroO tratamento da doença é feito com fármacos específicos, com antimoniais pentavalentes, anfotericina B, pentamidina, alopurinol, aminiosidina, entre outros.Referências Bibliográficas:http://pt.wikipedia.org/wiki/Leishmaniosehttp://www.saude.rs.gov.br/dados/1239825338856LEISHMANIOSE%20VISCERAL%20QUADRO%20CL%CDNICO.pdfhttp://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/manual_lv_grave_nc.pdfhttp://www.ambientebrasil.com.br/composer.php3?base=./natural/index.html&conteudo=./natural/doencas/leishmaniose.html