Bissinose Santa Rita, Paraíba

Informações sobre Bissinose em Santa Rita. Encontre aqui médicos especialistas, dicas de prevenção, onde fazer diagnóstico e tratamento da Bissinose e endereços e telefones de hospitais e clínicas em Santa Rita.

Leonardo Gadelha de Oliveira
(83) 221-9063
R. Quintino Bocaiuva 537 - Sl. B
Joao Pessoa, Paraíba
Especialidade
Pneumologia

Dados Divulgados por
Joao Bosco Braga
(83) 3241-4900
Av Camilo de Holanda 923
Joao Pessoa, Paraíba
Especialidade
Pneumologia

Dados Divulgados por
Wilson de Aguiar Chaves
833-2227
Av Almirante Barroso 438 - Sl. 111Edf. Emp. Newton Almeida
Joao Pessoa, Paraíba
Especialidade
Pneumologia

Dados Divulgados por
Gesualdo Pereira Soares
(83) 221-3254
R. Clemente Rosas 44
Joao Pessoa, Paraíba
Especialidade
Pneumologia

Dados Divulgados por
Beltrao Paiva Castelo Branco
833-2445
Av Dom Moises Coelho 153
Joao Pessoa, Paraíba
Especialidade
Pneumologia

Dados Divulgados por
Ronaldo Rangel Travassos Junior
(83) 224-4362
Rua Jose Florentino Junior 333
Joao Pessoa, Paraíba
Especialidade
Pneumologia

Dados Divulgados por
Jose Gerson Moreira Gadelha
(83) 3221-9007
Av Dom Pedro Ii 1269 - Sl. 605Edf. Sintese
Joao Pessoa, Paraíba
Especialidade
Pneumologia

Dados Divulgados por
Sebastiao de Oliveira Costa
(08) 3222-0033
Av. Almirante Barroso 528
Joao Pessoa, Paraíba
Especialidade
Pneumologia

Dados Divulgados por
Anne Valeria Macedo Faustino
(83) 3243-9080
Av Julia Freire 1200 - Sl. 701Edf. Metropolitan
Joao Pessoa, Paraíba
Especialidade
Pneumologia

Dados Divulgados por
Joao Dehon Leandro Franca
(83) 3241-1267
Av Tabajaras 981
Joao Pessoa, Paraíba
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Bissinose

A bissinose é definida como uma doença de etiologia ocupacional, que acomete indivíduos que trabalham com atividades relacionadas ao processamento e manuseio de algodão e fibras de linho.Na Inglaterra, é conhecido desde o início do século XIX que trabalhadores da fiação de algodão ocasionalmente apresentavam problemas respiratórios, caracterizados inicialmente por uma sensação de constrição torácica (aperto no peito), normalmente observada após um final de semana longe da atividade ou devido a outro afastamento qualquer. Com o passar do tempo, essa sensação se prolongava para os outros dias da semana e, por conseguinte, o operário apresentava tosse e expectoração abundante.Como a maior parte da indústria têxtil britânica estava aglomerada na região de Lancashire, onde há uma elevada prevalência de bronquite crônica entre a população, os pesquisadores não consideravam que o quadro clínico apresentado pelos operários dessas fábricas tratava-se de bronquite crônica, apenas exacerbada em conseqüência da exposição à poeira de algodão.Estudos realizados por Schilling concluíram que os operários expostos à poeira de algodão apresentam uma pneumoconiose à bissinose. Posteriores estudos demonstraram que havia relação entre a poeira de algodão e a incidência da doença em questão.Inicialmente, as manifestações clínicas caracterizam-se por pressão no peito no primeiro dia de trabalho e sibilos após o final de semana ou após um período de descanso. Com o passar do tempo a pressão no peito se agrava, vindo acompanhada de falta de ar, tornando-se mais severa e estendendo-se para outros dias da semana. No entanto, dependendo do esforço solicitado pela atividade física desempenhada pelo trabalhador e das condições de cada indivíduo, este, por sua vez, pode ficar severamente afetado. A exposição por muito tempo ao pó de algodão diminui o intervalo entre os sibilos, mas não progride para uma afecção incapacitante.O diagnóstico é alcançado por meio de um teste que evidencie a redução da capacidade pulmonar ao longo da jornada de trabalho, sendo que, no geral, essa redução é mais acentuada durante o primeiro dia de trabalho.A melhor estratégia de prevenção para a bissinose é o controle do pó de algodão e, em certos casos, o uso de equipamentos de proteção. Os sibilos e a pressão no peito podem ser tratados com os mesmos medicamentos utilizados no tratamento da asma. Broncodilatadores podem ser administrados por meio de um inalador ou em comprimidos.Fontes:http://pt.scribd.com/doc/6560235/Bissinosehttp://www.scielo.br/pdf/rsp/v7n3/06.pdfhttp://www.fisionet.com.br/patologias/interna.asp?cod=304http://www.manualmerck.net/?id=64&cn=726