Bexiga Neurogênica Corrente PI

Informações sobre Bexiga Neurogênica em Corrente. Encontre aqui médicos especialistas, dicas de prevenção, onde fazer diagnóstico e tratamento da Bexiga Neurogênica e endereços e telefones de hospitais e clínicas em Corrente.

Policlínica de Corrente
(89) 3573-1851
Avenida Desembargador Amaral 1675
Corrente, Piauí
 
Climecor
(89) 3573-1123
Rua Antônio Nogueira Carvalho 1147
Corrente, Piauí
 
Abilene Maria de Souza
(86) 3255-1221
Rua Hospital 115
Sigefredo Pacheco, Piauí
 
Clínica Ciep
(89) 3422-6055
Rua Monsenhor Hipólito 590
Picos, Piauí
 
Clínica de Urgência de Picos
(89) 3422-4934
Avenida Senador Helvídio Nunes 3347
Picos, Piauí
 
Centro Médico Correntino
(89) 3573-1483
Rua Antônio Nogueira Carvalho
Corrente, Piauí
 
Hospital Estadual e Regional D
(89) 3573-1465
Rua Antônio Nogueira Carvalho
Corrente, Piauí
 
Ortoclínica Ortopedia e Traumatologia
(86) 3222-5514
Rua Desembargador Pires de Castro 595
Teresina, Piauí
 
Clínica Oftalmológica Dr Welton
(86) 3222-3412
Rua Olavo Bilac 1879
Teresina, Piauí
 
Climet
(86) 3233-4444
Avenida Senador Area Leão 1625
Teresina, Piauí
 

Bexiga Neurogênica

Bexiga neurogênica é uma disfunção da bexiga urinária. Pode ter etiologia numa doença, numa ferida ou num defeito de nascença que acomete o cérebro, a medula espinhal ou os nervos ligados à bexiga e/ou esfíncter urinário.Pode ser de dois tipos:Hipoativa (hipotônica): esta é incapaz de se contrair, não havendo o esvaziamento adequado.Hiperativa (espástica): esta esvazia por reflexos incontroláveis.Uma bexiga hipoativa geralmente resulta da interrupção dos nervos que a estimulam. A causa mais frequente em crianças é um defeito de nascença, localizado na medula espinhal (por exemplo, espinha bífida). No caso da bexiga hiperativa, ocorre normalmente por interferência no controle normal da bexiga pela medula e cérebro. As causa mais comuns são uma ferida ou uma doença, como por exemplo, a esclerose múltipla, que acometem a medula espinhal, podendo resultar em paralisia das pernas (paraplegia) ou dos braços e das pernas (tetraplegia). Geralmente, de início, essas lesões fazem com que a bexiga se torne flácida e, posteriormente, torne-se hiperativa, esvaziando-se sem um controle voluntário.Os sintomas variam de acordo com a etapa em que se encontra a bexiga: em baixa atividade ou superativa.No caso da bexiga hipoativa, como esta não consegue esvaziar, acaba por dilatar demasiadamente. No entanto, como existe pouca, ou nenhuma atividade nervosa local, esta dilatação não é dolorosa. Geralmente a bexiga continua cheia, perdendo pequenas quantidades de urina constantemente (incontinência por extravasamento). Infecções urinárias são comuns em indivíduos que apresentam esse tipo de bexiga, pois a estase de urina residual nela leva a condições ideais para o crescimento bacteriano. Especialmente em indivíduos que sofrem de infecção crônica na bexiga, pode haver a formação de cálculos nesse órgão, resultando numa obrigatória colocação de sonda.As bexigas hiperativas podem encher-se e esvaziar-se sem controle e gerando graus de mal-estar que variam, pois o esvaziamento é involuntário.Em ambos os tipos de bexiga, pode ocorrer lesão renal, devido à pressão e o refluxo da urina a partir da bexiga.O histórico e o exame físico são partes importantes no diagnóstico de bexiga neurogênica. A avaliação dos hábitos miccionais e a verificação de sinais neurológicos de sensibilidade das extremidades podem ser de grande valia na avaliação da situação neurológica do paciente. O exame mais importante para avaliação do padrão funcional da bexiga é o urodinâmico que nos fornece a avaliação da capacidade de armazenamento e a pressão da bexiga, em outras palavras, como ocorre a expulsão da urina.No caso de bexiga hipoativa causada por uma lesão neurológica, pode ser inserida uma sonda através da uretra para esvaziar a bexiga constante e intermitentemente. Indivíduos com bexiga hiperativa, também podem necessitar de uma sonda para auxiliar no esvaziamento, quando os espasmos da saída da bexiga impedem o seu esvaziamento total.O tratamento medicamentoso pode melhorar o armazenamento de urina na bexiga. No geral, bexigas hiperativas podem ser modificadas com o uso de medicamentos que relaxam a mesma, como, por exemplo, os anticolinérgicos. No entanto, esses medicamentos causam efeitos colaterais, como secura da boca e constipação.Existe também a opção de tratamento cirúrgico, onde é feita uma abertura externa (ostomia) na parede abdominal ou então para aumentar o tamanho da bexiga.Fontes:http://pt.wikipedia.org/wiki/Bexiga_neurog%C3%AAnicahttp://www.manualmerck.net/?id=155http://www.bexiganeurogenica.com.br/http://www.medicinanet.com.br/conteudos/revisoes/2022/bexiga_neurogenica.htmhttp://www.diabetenet.com.br/conteudocompleto.asp?idconteudo=617