Anormalidades da Secreção Adrenocortical Açu RN

Informações sobre Anormalidades da Secreção Adrenocortical em Açu. Encontre aqui médicos especialistas, dicas de prevenção, onde fazer diagnóstico e tratamento da Anormalidades da Secreção Adrenocortical e endereços e telefones de hospitais e clínicas em Açu.

Walter Pastor Rueda Arce
(84) 3331-4337
Rua Sinhazinha Wanderley 900
Açu, Rio Grande do Norte
 
Clínica Santa Cecília
(84) 3331-2404
Rua Doutor Luiz Carlos 3384
Açu, Rio Grande do Norte
 
Centro Vitta
(84) 3206-3327
Rua Leonardo Drumond 1610
Natal, Rio Grande do Norte
 
Alergoclinica Natal
(84) 3202-1115
Rua Coronel Joaquim Manoel 615 s 601
Natal, Rio Grande do Norte
 
Sociedade Pan Médica
(84) 3422-8444
Rua Auta de Souza
Mossoró, Rio Grande do Norte
 
Clínica Oitava Rosado
(84) 3331-4994
Rua Senador João Câmara 1304
Açu, Rio Grande do Norte
 
Policlínica do Açu
(84) 3331-2989
Rua 24 de Junho
Açu, Rio Grande do Norte
 
Policlínica
(84) 3241-2299
Rua São José 147
Canguaretama, Rio Grande do Norte
 
Clínica Doutor José Alfredo
(84) 3332-2476
Rua Calafates 52
Areia Branca, Rio Grande do Norte
 
Clínica Dr Aladim
(84) 3221-3636
Rua Auta de Souza 182
Natal, Rio Grande do Norte
 

Anormalidades da Secreção Adrenocortical

Hipoadrenalismo – Doença de AddisonNa doença de Addison não há produção de hormônios adrenocorticais, causando a atrofia primária do córtex adrenal. Essa atrofia pode ser causada por destruição tuberculosa das adrenais ou por invasão do córtex por câncer.A ausência de aldosterona, o principal mineralocorticóide, nesse caso reduz a reabsorção tubular renal de sódio permitindo com que íons de sódio, íons de cloreto e água sejam eliminados pela urina em grande quantidade, causando uma grande redução do liquido extracelular e o aumento de hemácias. O débito cardíaco diminui e o paciente morre em até duas semanas se não for tratado.A perda de cortisol, o principal gicocórticoide para os portadores da doença de Addison, reduz a mobilização de proteínas e lipídios deprimindo outras funções do metabolismo. Esses pacientes também não conseguem normalizar a taxa de glicose entre as refeições, pois a falta de cortisol impede a glicogênese.A pequena quantidade de cortisol também pode interromper a secreção de ACTH pelo hipotálamo e hipófise, assim a grande quantidade de ACTH e, simultaneamente, de MSH provoca um efeito de piguimentação, estimulando a formação de melanina.Essa doença pode ser controlada se uma pequena quantidade de mineralocorticóides e glicocorticóides for administrada diariamente.Hiperadrenalismo – Síndrome de CuslingEssa síndrome é causada pela quantidade de cortisol inadequada e de secreção de androgênios excessiva. O hipercortisolismo pode ocorrer quando há alta secreção ACTH pela hipófise ou mau funcionamento do hipotálamo.A síndrome de Cusling também pode ocorrer quando há uma administração de glicocorticóides por períodos prolongados.O portador desta doença tem um aumento de glicose na concentração sanguínea, resultando no aumento da glicomogênese e a redução da utilização da glicose pelos tecidos.A síndrome causa uma grande redução de proteínas teciduais, com exceção do fígado. O bloqueio da síntese de proteína nos tecidos linfóides leva à supressão do sistema imune, causando a morte por infecção, a falta de proteína nos ossos também pode causar osteoporose.A síndrome de Cusling pode ser tratada com a administração de drogas ou cirurgias, dependendo de cada caso.Aldosteronismo Primário – Síndrome de ConnPode ser causado por pequeno tumor das células da zona glomerulosa que vai secretar grande quantidade de aldosterona ou o córtex adrenal hiperplásico secreta aldosterona no lugar do cortisol.O excesso da aldosterona reduz o líquido extracelular e o sangue, além de aumentar a concentração de Sódio. A baixa concentração extracelular de potássio pode causar paralisia muscular. O tratamento consiste na remoção cirúrgica do tumor.Síndrome AdrenogenitalO tumor adrenocortical secreta uma grande quantidade de androgênios. Na mulher, a síndrome pode ser caracterizada pela aparência de características masculinas, incluindo o crescimento de barba, a distribuição de pêlos pelo corpo, o desenvolvimento do clitóris, assemelhando a um pênis.No homem pré-puberal, caracteriza-se pela aparência de um homem adulto, enquanto que na fase adulta, a síndrome é mais difícil de ser identificada. Nesse caso o diagnóstico é feito através de um exame chamado 17-cetosteróides, onde seu resultado pode ser 10 a 15 vezes maior do que o normal.FONTES:Levada, Miriam M. O., Fieri, Walcir J. e Pivesso, Mara Sandra G.. Apontamentos Teóricos de Citologia, Histologia e Embriologia, São Paulo: Catálise Editora, 1996.Guyton, Arthur C. e Hall, John E.. Tratado de Fisiologia Médica, Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.