Angioedema Adquirido Monteiro PB

Informações sobre Angioedema Adquirido em Monteiro. Encontre aqui médicos especialistas, dicas de prevenção, onde fazer diagnóstico e tratamento da Angioedema Adquirido e endereços e telefones de hospitais e clínicas em Monteiro.

José Nurisman Cartaxo Lopes
(83) 3351-2020
Rua Nestor Bezerra 131
Monteiro, Paraíba
 
Hospital Municipal de Prata
(83) 3390-1046
Rua Manoel Vieira 177
Prata, Paraíba
 
Hospital Municipal de Prata
(83) 3390-1046
Rua Manoel Vieira
Prata, Paraíba
 
Policlínica Francisco Cabral
(83) 3292-2958
Rua Imperador 46
Mamanguape, Paraíba
 
Clínica Leni Medeiros
(83) 3239-1368
Rua Lino Alves de Oliveira 18
João Pessoa, Paraíba
 
Clínica Santa Sophia
(83) 3351-2298
Rua Epaminondas Azevedo 33
Monteiro, Paraíba
 
Hospital Santa Filomena
(83) 3351-2204
Rua Epaminondas Azevedo
Monteiro, Paraíba
 
Hospital Dr João Feitosa
(83) 3304-1008
Rua Antônio Ventura Caraciolo
São Sebastião do Umbuzeiro, Paraíba
 
Clínica Santa Luzia
(83) 3421-2359
Rua Presidente Floriano Peixoto
Patos, Paraíba
 
Edmilson Gomes Correia
(83) 3233-1117
Avenida Cruz das Armas 2951
João Pessoa, Paraíba
 

Angioedema Adquirido

O angiodema pode ser de dois tipos: adquirido (AEA) ou hereditário (AEH).O angioedema adquirido é raro, sendo que existem manos de 50 casos relatados na literatura. Assim como o angioedema hereditário (AEH), apresenta duas formas diferentes. São elas:Tipo 1: caracteriza-se por baixos níveis de C1-IHN. Este tipo relaciona-se com linfomas, leucemia linfocitária crônica e outras enfermidades linfoproliferativas. Embora ainda não tenha sido elucidado como estas doenças levam ao angioedema, existe a hipótese de que o mecanismo esteja relacionado com a formação de imunocomplexos capazes de consumir a C1-INH.Tipo 2: nesta não há doenças linfoproliferativas associadas, e sim auto-anticorpos liberados por uma subpopulação de células B que se ligam à C1-INH, resultando em uma alteração da estrutura e funcionalidade dessa molécula.Os achados clínicos encontrados na AEA são semelhantes aos encontrados na AEH, com exceção da freqüente presença da doença no histórico familiar. Para fazer a diferenciação do AEA do AEH, é se faz necessária a avaliação da dosagem da fração C1q do complemento, o qual encontra-se reduzido no AEA, bem como os níveis de C2, C4 e C1-INH.O tratamento deve relacionar-se com a doença envolvida. Todavia, quando o paciente apresentar episódios constantes ou graves de angioedema, certos fármacos podem ser receitados, como o danazol.Fontes:http://pt.wikipedia.org/wiki/Angioedemahttp://www.drashirleydecampos.com.br/noticias.php?noticiaid=6332&assunto=Alergiahttp://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/pcdt_angioedema_livro_2010.pdfhttp://boasaude.uol.com.br/realce/emailorprint.cfm?id=14640&type=lib