Alergia Medicamentosa Gravataí, Rio Grande do Sul

Informações sobre Alergia Medicamentosa em Gravataí. Encontre aqui médicos especialistas, dicas de prevenção, onde fazer diagnóstico e tratamento da Alergia Medicamentosa e endereços e telefones de hospitais e clínicas em Gravataí.

Ciro Benito Poglia Barbiero
(51) 3332-6931
Rua Dona Laura 207 - Conj.201
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Especialidade
Alergia e Imunologia

Dados Divulgados por
Valerie Noronha Menezes Kreutz
(51) 3222-9277
Padre Chagas 147 - Sala 504
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Especialidade
Alergia e Imunologia

Dados Divulgados por
Sergio Luiz Nadvorny
(51) 3342-3860
Av. Benjamim Constant 1161 - Sala 3
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Especialidade
Alergia e Imunologia

Dados Divulgados por
Regina Sumiko Watanabe Di Gesu
(51) 3225-6927
Dom Feliciano 39 - 503
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Especialidade
Alergia e Imunologia

Dados Divulgados por
Centro Clinico Gravatai
(51) 3484-8400
Avenida José Loureiro da Silva 1843
Gravataí, Rio Grande do Sul
 
Breno Ryba
(51) 3228-5370
Rua dos Andradas 1519 - Cj. 45
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Especialidade
Alergia e Imunologia

Dados Divulgados por
Moyses Eizirik
(51) 3224-5679
Vig Jose Inacio 566 - 604
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Especialidade
Alergia e Imunologia

Dados Divulgados por
Giovanni Marcelo Siqueira Di Gesu
(51) 3225-6927
Dom Feliciano 39 - 503
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Especialidade
Alergia e Imunologia

Dados Divulgados por
Uniclinica
(51) 3042-4024
Rua Prefeito Ary Tubbs 665 - 8
Gravataí, Rio Grande do Sul
 
Maria do Carmo Dimer Webber
(51) 3484-1142
Avenida José Loureiro da Silva 1441 s 302
Gravataí, Rio Grande do Sul
 
Dados Divulgados por

Alergia Medicamentosa

A alergia medicamentosa é uma reação adversa a um fármaco, resultado de uma sensibilidade prévia pelo mesmo composto ou por algum intimamente relacionado a este.Ninguém desenvolve uma reação alérgica da noite para o dia, as reações alérgicas são a resposta à interação antígeno-anticorpo, consequência de uma resposta imune a um fármaco ou substância. Esta resposta imune pode ser considerada como um mecanismo de defesa (que se inicia com um processo silencioso chamado sensibilização alérgica, que não produz nenhuma reação alérgica identificável), mas quando se torna inapropriada provoca as manifestações típicas da alergia. Daí em diante, depois da sensibilização, toda vez que a pessoa for exposta àquela substância, o processo alérgico será desencadeado.A reação alérgica a esta ou aquela substância não é passada de pais para filhos, mas a predisposição a esta alergia pode ser genética. As pessoas que já apresentaram sinais de reação alérgica devem ficar atentas com remédios descritos como altamente alergizantes. Há remédios, por exemplo, que possuem 25% de probabilidade de desencadear uma reação alérgica, e há outros que apresentam apenas 1% de chance de desenvolver este distúrbio, é claro que o médico ficará inclinado a receitar este último medicamento em pacientes de risco. Existem grupos de pessoas às quais é dito que simplesmente não podem utilizar um medicamento específico. Exemplo disto é a proibição do uso de ácido acetilsalicílico por parte dos asmáticos, pois esta substância serve como um gatilho para a crise de asma.A capacidade de desenvolver uma alergia é pré-existente, mas para que o estado alérgico se manifeste no indivíduo é preciso que este seja submetido a uma exposição prévia. Há remédios que desencadeiam reações alérgicas mais facilmente que outros. A alergia pode ocorrer em relação a um medicamento ou a uma família de remédios.São características das reações alérgicas: reação intensa, mesmo em pequenas doses e, quanto maior a dose, maior a reação; a sintomatologia desaparece quando o remédio é suprimido; broncoconstrição; aumento da freqüência cardíaca; perda da consciência; rinite; eritemas e choque anafilático (este pode ser fatal). Outras reações alérgicas podem provocar ainda moléstias gastrointestinais, com dores abdominais. É difícil diagnosticar as reações alérgicas até que os sintomas apareçam.