Acidose Respiratória Corrente PI

Informações sobre Acidose Respiratória em Corrente. Encontre aqui médicos especialistas, dicas de prevenção, onde fazer diagnóstico e tratamento da Acidose Respiratória e endereços e telefones de hospitais e clínicas em Corrente.

Centro Médico Correntino
(89) 3573-1483
Rua Antônio Nogueira Carvalho
Corrente, Piauí
 
Climecor
(89) 3573-1123
Rua Antônio Nogueira Carvalho 1147
Corrente, Piauí
 
Hidelberto Alves
(89) 3462-1709
Avenida Rui Barbosa
Oeiras, Piauí
 
Clínica de Urologia e Ginecologia S S
(86) 3223-1071
Rua Gabriel Ferreira 574 s 1
Teresina, Piauí
 
Vítor Figueiredo Carneiro
(86) 3321-1924
Praça Santo Antônio 643
Parnaíba, Piauí
 
Policlínica de Corrente
(89) 3573-1851
Avenida Desembargador Amaral 1675
Corrente, Piauí
 
Hospital Estadual e Regional D
(89) 3573-1465
Rua Antônio Nogueira Carvalho
Corrente, Piauí
 
Renato Duarte Barbosa
(86) 3230-1311
Avenida Raul Lopes 1000 md 22
Teresina, Piauí
 
Clínica Santa Regina Clínica S
(86) 3293-1112
Rua Amarante 820
Regeneração, Piauí
 
Novaclinica
(86) 3221-0259
Rua Coelho de Resende 500
Teresina, Piauí
 

Acidose Respiratória

A acidose respiratória é definida como uma acidose (redução do pH sanguíneo) resultante de uma ventilação reduzida dos alvéolos pulmonares, levando a uma alta concentração de dióxido de carbono (PaCO2).A acidose respiratória é um problema clínico consequente da hipoventilação. Há uma produção acelerada de dióxido de carbono, com aumento de PaCO2 devido à insuficiência ventilatória imediata. A hipoventilação alveolar resulta em uma hipercapnia, que é o PaCO2 aumentado, que por sua vez reduz a proporção de HCO3−/PaCO2 e diminui o pH. Em outras palavras, a hipercapnia e a acidose respiratória ocorrem quando o problema na ventilação se estabelece e a retirada de CO2 pelos pulmões é menor do que a produção de CO2 pelos tecidos.Esta disfunção é classificada em dois tipos:Acidose respiratória aguda: na qual o PaCO2 encontra-se acima do limite superior (6,3 kPa ou 47 mm Hg), com acidemia (pH inferior a 7,35). Ocorre em casos de insuficiência súbita da ventilação. A insuficiência ventilatória pode iniciar-se por uma depressão do centro respiratório central, resultante de uma doença cerebral ou uso de drogas, inabilidade de ventilar adequadamente em consequência de uma doença neuromuscular ou obstrução das vias aéreas relacionada à asma ou agravamento da doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC).Acidose respiratória crônica: neste caso, o PaCO2 encontra-se acima do limite superior, mas com pH sanguíneo dentro da normalidade (7,35 a 7,45) ou pH próximo ao normal secundário à compensação renal e um bicarbonato sérico elevado (HCO3− maior do que 30 mm Hg). Este tipo de acidose apresenta diferentes etiologias, como parada cardiopulmonar, pneumotórax, hidrotórax, distensão abdominal aguda, hipertermia maligna e insuficiência cardíaca congestiva (ICC).As manifestações clínicas podem iniciar-se com cefaléias e sonolência. Também podem estar presentes dispnéia, tosse, sudorese, desmaio, cianose, arritmias, taquicardia, tremores e convulsão. O quadro pode evoluir para um estado comatoso.Normalmente, o diagnóstico de acidose metabólica é definitivamente estabelecido quando se analisam os valores do pH sanguíneo e do CO2 nas amostras de sangue arterial.O tratamento varia de acordo com sua etiologia. Contudo, em todos os casos é necessário melhorar a ventilação-perfusão e o apoio ventilatório, como, por exemplo, por meio da utilização de broncodilatadores e uso de antibióticos. Indivíduos que por algum motivo apresentam funcionamento pulmonar severamente alterado podem necessitar de respiração artificial através de ventilação mecânica.Fontes:http://pt.wikipedia.org/wiki/Acidose_respiratóriahttp://www.manualmerck.net/?id=164&cn=1297http://perfline.com/cursos/cursos/acbas/acbas08.htm