AIDS na Adolescência Rio Branco, Acre

Informações sobre AIDS na Adolescência em Rio Branco. Encontre aqui médicos especialistas, dicas de prevenção, onde fazer diagnóstico e tratamento de AIDS na Adolescência e endereços e telefones de hospitais e clínicas em Rio Branco.

Fundacre - Fundação Hospitalar Estadual Acre
(68) 3226-4336
Rodovia BR-364 3831 km 2
Rio Branco, Acre
 
Secretaria de Estado Saúde
(68) 3223-1302
Avenida Getúlio Vargas 1446
Rio Branco, Acre
 
Hospital Distrital
(68) 3228-7880
Etrv Porto Acre 912
Rio Branco, Acre
 
Hospital Geral Clínicas
(68) 3223-8368
Avenida Nações Unidas 700
Rio Branco, Acre
 
Hospital Santa Juliana
(68) 3212-4700
Rua Alvorada 806
Rio Branco, Acre
 
Hospital de Saúde Mental Osmac
(68) 3225-6434
Estrada Sobral 663
Rio Branco, Acre
 
Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco
(68) 3223-3080
Avenida Nações Unidas 700
Rio Branco, Acre
 
Hospital Criança Urgil
(68) 3224-4694
Tv Campo do Rio Branco 355
Rio Branco, Acre
 
Secretaria de Estado Saúde
(68) 3223-4266
Rua Guiomard Santos 74
Rio Branco, Acre
 
Hospital Doutor Ary Rodrigues
(68) 3232-2667
Rua Senador Eduardo Assmar
Senador Guiomard, Acre
 

AIDS na Adolescência

Em todo o mundo, nos últimos anos, tem crescido o número de ocorrência de AIDS entre adolescentes, em dados referentes a novas infecções essa faixa etária tem superado a população adulta. Em média, cerca de 50% dos novos casos de AIDS ocorrem em jovens de 15 a 24 anos.Grande parte dos infectados está na faixa dos 20 anos. Entre os jovens infectados, as mulheres representam a metade de todo o grupo. Mulheres acima de 13 anos são infectadas por transmissão sexual e por uso de drogas injetáveis.Entre os homens, a transmissão predominante ocorre pelo ato sexual, o contágio homossexual representa 30 % dos casos, e o uso de drogas injetáveis 20%.Analisando o comportamento dos adolescentes, verifica-se que os traços comportamentais, socioeconômicos e biológicos expõem esse grupo mais facilmente ao HIV. Nos adolescentes, a atividade sexual inicia, muitas vezes, sem cuidados como o uso da camisinha.O fato de não usar a camisinha pode ser causado pelo abuso de álcool e drogas. Quando o adolescente inicia um namoro “firme” cria-se o hábito de dispensar o preservativo na crença da fidelidade entre o casal.Para a sociedade, a camisinha é defendida pelas organizações de saúde como uma prova de amor e cuidado consigo mesmo e com o próximo, para as meninas não usar o preservativo gera um sentimento de medo de serem renegadas ou maltratadas pelos seus parceiros.Acredita-se que a iniciação sexual prematura e a falta de cuidados entre os adolescentes esteja ligada aos apelos eróticos e facilidades apresentadas pelos veículos de comunicação. A televisão e a internet expõem imagens e opiniões que geram padrões de comportamento sexual e de consumo nos adolescentes.Esse padrão escapa da tradição cultural de uma determinada região e indica ao jovem que o sexo é algo comum, que todo mundo faz de todos os jeitos e livres de doenças, num processo de educação sexual informal.Biologicamente, as mulheres jovens possuem fatores que facilitam a infecção. As meninas possuem células imaturas na cavidade vaginal e no colo do útero que não defendem o organismo contra a infecção, como ocorre nas mulheres mais maduras. Os homens mais novos possuem a capacidade de realizar o ato sexual com maior frequência e dessa forma ficar mais suscetível ao vírus.O adolescente soropositivo, na maioria dos casos, convive com outros jovens e em seu meio social se vê obrigado a restringir aspirações e necessidades para manutenção de seu tratamento. A vida sexual e afetiva para o adolescente infectado com a AIDS passa a ser vista de maneira limitante, assim como considera ser um desperdício investir em planos de longo prazo referentes a estudos, profissão e tratamento.Leia também:Métodos AnticoncepcionaisAIDS em IdososFontes:http://boasaude.uol.com.br/lib/ShowDoc.cfm?LibDocID=3867&ReturnCatID=1802http://www.fm.usp.br/gdc/docs/preventivaextensao^Manual_Adolescentes_HIV.pdf